Três anos da lei que trouxe mais hospitais para BH

Irlan Melo / 16/03/2020 - 06h00

Ser vereador é muito mais do que fiscalizar o Executivo. Temos nas mãos a responsabilidade de interferir no futuro da cidade e essa é uma tarefa extremamente relevante. Desde o início do mandato tenho apresentado projetos que possam melhorar a qualidade de vida das pessoas. E para realizar o ato de legislar, é necessário um longo processo que implica muito estudo, análise e esforço. 

Quem me acompanha no Facebook (facebook.com/irlan.melo), sabe que toda quinta também temos #tbt. Aproveito a ocasião para relembrar uma conquista ou uma luta em prol da nossa cidade. E no último #tbt viajamos até aos meus primeiros meses de mandato na Câmara Municipal de BH, onde tive minha primeira Lei sancionada pelo prefeito. 

A Lei 11068/2017 altera as condições para a ocupação do solo urbano de BH, com o objetivo de estimular a construção de hospitais, ou seja, atrair investimentos na área hospitalar, facilitando a abertura de novas unidades de saúde para a cidade.

Com isso, diversos equipamentos já foram instalados como o Neocenter, que atende 40 leitos/mês de UTI Neonatal, 350 partos/mês, e a geração de 600 empregos diretos e 800 indiretos. Apesar de se tratar de um empreendimento privado, há a intenção de firmar uma parceria com o município para atendimentos públicos.

A reforma do prédio que abrigava a Fundação Hilton Rocha entrou na reta final e em ritmo acelerado. Localizado no Mangabeiras, região Centro-Sul de Belo Horizonte, o empreendimento, que vai abrigar o Hospital da Oncomed, deve ser inaugurado entre dezembro deste ano e janeiro de 2020, outra grande conquista para nossa cidade.

Na avenida dos Andradas, próximo à praça da Estação, no centro da cidade, um prédio imponente com janelas azuis espelhadas tinha como destino certo se tornar o maior hotel de Minas Gerais, com 28 andares, onde estão distribuídos 410 apartamentos. Popularmente, o hotel é conhecido pelo nome de Beira-Rio (ele foi construído às margens do Rio Arrudas). Entretanto, negociações “em ritmo avançado” apontam que o edifício deva ser ocupado, na verdade, por um hospital particular da rede D’Or, presente em estados como Rio de Janeiro e São Paulo.

A Cetus Oncologia inaugurou, na região Centro-Sul da capital mineira, o Hospital Dia, destinado a consultas e infusões de quimioterapia, com capacidade para 3 mil atendimentos por mês.

Todos esses empreendimentos já são fruto da nossa lei, que certamente atraiu e ainda atrairá muito mais investimentos e ampliará a rede de hospitais de BH.
Saúde é um direito de todos e um dever do Estado. É assim que a gente vai continuar trabalhando: em prol das pessoas. Fico muito feliz em saber que em 3 anos essa lei já mudou a vida de muita gente.

Quando há vontade de trabalhar e criatividade, toda a cidade sai ganhando!
#acordabh

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários