Advogado é parceiro do empresário contra a crise

Kênio Pereira / 04/05/2020 - 06h01

A crise gerada pelo COVID-19 que atingiu empresários e empregados, deve ser enfrentada com lucidez e bom senso, pois manter a mesma visão de antes da pandemia pode acarretar até a falência de uma empresa, gerando prejuízos que poderiam ser evitados. Inúmeros conflitos têm surgido por causa do isolamento social decorrente do coronavírus, sendo que a solução desses problemas muitas vezes depende da intervenção de um advogado.

Entretanto, tem sido observada uma resistência de alguns empresários em contratar profissionais que podem resolver questões sérias ou reduzir seus impactos. É ignorado que há mecanismos legais que podem evitar problemas, havendo diversas causadas pela pandemia, dentre elas, as discussões sobre pagamentos de despesas e cumprimento de contratos, como o de locação ou compra e venda, por exemplo.

O advogado especializado é o profissional apto a auxiliar as empresas para que tenham condições de superar o momento de crise, renegociando contratos, eliminando riscos, mostrando à parte contrária as consequências de uma postura intransigente, os custos de uma demanda e as possíveis defesas em prol do seu cliente.

Sobre outro ponto de vista, a ausência do advogado pode fazer com que o empresário pague por débitos indevidos, faça acordos que trarão prejuízos no futuro, obtenha empréstimos com cláusulas leoninas e, assim, cause a piora do cenário muitas vezes de maneira irreversível. Contratar advogado é investimento, não custo.

A análise sobre a contratação de um advogado passa por uma visão prática e coerente, pois ter o profissional como custo, ao invés de investimento, indica uma tendência do empresário agir contrário aos seus próprios interesses.

No cenário atual são inúmeras as empresas e lojistas que precisam reduzir seus custos momentaneamente, como o aluguel pago ao Shopping Center, por exemplo, para evitar demissões de funcionários. O advogado atenderá o empresário para que a redução pretendida seja concretizada nos termos da lei, sendo estruturada, inclusive, para a hipótese de uma demanda judicial no futuro, pois questionamentos sobre a negociação podem surgir.

Os honorários pagos ao advogado servem para remunerá-lo e manter sua estrutura de atendimento, sendo justo receber pelo serviço que prestar. Porém, há empresário que prefere o prejuízo ao investimento, o que não faz sentido. Basta perceber que em vários casos a demissão de dois ou três funcionários acarretaria custos com verbas trabalhistas (multa do FGTS, férias e 13º salário, entre outras) que superariam muito o valor da remuneração do advogado, que atuaria para evitar que fossem necessárias tais demissões.

Tudo isso leva a crer que tem lojista quebrando por não querer pagar assessoria jurídica, pois tem agido com base na intuição.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários