Escolhendo candidato

Manoel Hygino / 20/08/2019 - 06h00

Cargo importante está na hora de ser seu ocupante definido pelo presidente da República: o do titular da Procuradoria-Geral da República, ocupado até aqui por Raquel Dodge, que tem atuação destacada, sem os abalos da gestão Janot Pacheco, que a antecedera. Nomes de proa foram lembrados, mas Bolsonaro, tão falante em outras ocasiões, mantem-se agora discreto.

O desempenho do futuro chefe do Ministério Público Federal é fundamental nesta hora de tamanhos desencontros do Planalto com outros setores, como a própria Polícia Federal, após o recuo na nomeação do superintendente no Rio de Janeiro. Não é bom negócio agora a escolha de um procurador que lance mais chamas ao fogaréu. Bolsonaro tem sido alertado de que neste caso não pode errar, sob risco de atritar com o MPB e o próprio Judiciário.

A propósito de decisões no gênero, lembraria o que o jornalista Sebastião Nery conta, quando da posse do governador Milton Campos, ao ser procurado por Artur Bernardes, que presidira Minas e a República. Eis o registro: 

“Logo após a posse do governador Milton Campos, em Minas, em março de 1947, o ex-presidente Arthur Bernardes pediu ao novo governador uma audiência para aquela mesma tarde, a fim de tratar de assunto inadiável. Realizou-se o encontro, por mais de meia hora. De um lado, o ex-presidente da República, com a auréola de austeridade e energia que o cercava. Duro, inflexível, com a experiência de quase meio século de militância política. E a consciência de que fora tudo. De outro lado, bem mais jovem, o advogado oposicionista que, a certa altura da vida, escrevera cáustico artigo sobre o seu confrontante – “O Imperador Divino”. Ameno no convívio, discreto no relacionamento, mas a mesma postura e a mesma segurança no diálogo.

Bernardes invoca os termos de compromissos partidários e pede para ele mesmo indicar, como presidente do PR, os nomes de dois representantes de seu partido para o secretariado. Milton reage. Recusa. Os compromissos – que são da UDN e não pessoalmente dele – serão mantidos. Duas pastas estão reservadas para Lei da Ficha Limpa e a conjuntura brasileira 167 o PR. Mas, secretário é cargo de confiança e, portanto, a ele, Milton Campos, cabe a escolha dos nomes. Não aceitaria indicações, menos ainda, imposições. Informa que já fizera a sua opção por Mário Brant e Campos Cristo, como representantes do PR”. 

Perguntou: o presidente tem alguma objeção a estes nomes? “Bernardes desarma-se, mas Milton Campos insiste: o presidente, que já ocupou esta cadeira com tanta dignidade, não há de querer que ela se diminua agora”.

O diálogo prossegue exaustivo, penoso. Milton Campos prossegue até o fim. Ele mesmo escolheria os secretários, como escolheu. Do primeiro dia de governo até o último, compreendeu e sentiu que “governar é resistir”. Fazia-o com todo respeito, como era do seu feitio e formação. 
 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários