Reforços na batalha

Mateus Simões / 04/05/2020 - 09h37

Ter boas intenções é importante, sempre – mas na maior parte das vezes, não é suficiente. É por isso que também é imprescindível arregaçar as mangas e agir, antes mesmo de as necessidades e a realidade acabarem nos atropelando.
Nesse sentido, o governador Romeu Zema, nos últimos dias, anunciou dois reforços essenciais na batalha de Minas Gerais contra o coronavírus: a compra de 1.047 respiradores e a montagem de um estoque regulador de equipamentos de proteção individual, destinado aos municípios e hospitais filantrópicos.

A compra de respiradores vem se mostrando um enorme desafio por todo o mundo. São poucos os fornecedores e é enorme a busca pelos equipamentos, que são essenciais na terapia intensiva para os que desenvolvem os sintomas mais graves da Covid-19. Diante disso, o governo tem atuado em algumas frentes: consertando equipamentos estragados e apoiando o esforço de empresas que se dispuseram a fabricá-los. Ao mesmo tempo, foram mantidas as tentativas de compra – agora com sucesso.

Além disso, desde o início da crise um aspecto muito grave vem chamando a atenção: dado o contágio fácil e rápido da doença, são muito altos os índices de profissionais da saúde contaminados – muitos que acabam inclusive como vítimas fatais da enfermidade. Em paralelo, a falta de equipamentos de proteção individual, como máscaras, luvas, gorros e aventais vinha agravando esse cenário.

Para combater mais esse problema, o governo adquiriu um enorme estoque desses materiais – o grande volume de compra propiciou um preço consideravelmente menor do que o que vem sendo praticado no mercado. Feito isso, organizou-se um esforço para coloca-los à disposição dos municípios a preço de custo, que jamais seria atingido por compras individuais, de volume bem menor. A ideia é que não falte equipamento para ninguém, colocando um ponto final na grande dificuldade de compra até então enfrentada pelos municípios.

São duas importantes ações, que denotam um empenho por mais segurança no combate ao coronavírus e que permitem, ao mesmo tempo, salvar as vidas dos que desenvolvem sintomas mais graves. Nessa batalha, não bastam as boas intenções. Por outro lado, não há esforço inútil e, juntos, Minas Gerais e os municípios enfrentarão e vencerão esse inimigo.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários