Como conseguimos transmitir confiança?

Simone Demolinari / 10/06/2021 - 06h00

Confiar é ingrediente fundamental para uma relação funcionar bem. Quando o amor não anda junto com a confiança, o que impera é o sofrimento e a insegurança. Portanto, se relacionar com alguém que não nos transmite confiança é um ato de irresponsabilidade consigo próprio.

Quem não confia vive numa constante ansiedade com a iminência de ser surpreendido negativamente. É como um carro parado, mas com o motor ligado, sempre queimando combustível psíquico.

Confiança é algo construído com o tempo e percebido por algumas condutas. Tais como:

Prédica alinhada com a prática: quando o discurso não anda alinhado com a conduta, devemos desconfiar, pois o comportamento revela o indivíduo. Pessoas que falam uma coisa e fazem outra geralmente usam o discurso  para ludibriar e embaçar os olhares alheios. Estão mais preocupados em passar uma imagem boa não importando se ela existe na realidade.

Cumprimento de promessa: pessoas pouco confiáveis não se preocupam muito com o que prometem. Costumam prometer “da boca para fora” num momento de euforia ou para levar vantagem, mas, na hora de cumprir, mudam de ideia. Não é possível confiar em quem, para se beneficiar, ilude com promessas, mas, na hora de pagá-las, muda de ideia ou finge que esqueceu. Pessoas honestas, quando percebem que não darão conta de cumprir com a promessa feita, tratam logo de arrumar um jeito de comunicar isso à outra parte envolvida.

Capacidade de assumir os atos: há quem carregue consigo o lema de alguns criminosos: “negar até a morte”. Há quem opte por falar a mentira e não sinta culpa de agir assim. Se autoriza a mentir sob a justificava de que está “preservando" a parte prejudicada. Em alguns casos, a mentira é tão deslavada que a pessoa nega até quando é pega em flagrante, fazendo com que o outro questione a própria sanidade mental. O nome disso é “gaslighting" - uma técnica de manipulação psicológica que usa a repetição para distorcer os fatos e atenuar situações graves. Frases como: "você enxerga coisas onde não existem”; “era só uma brincadeira”; “você se estressa demais”; “briga a toa”; “eu te amo e você está estragando tudo”; “você está doente, precisando se tratar”. Com esse discurso, quem está falando mentira consegue fazer o outro acreditar que está exagerando. Gaslighting é um crime psicológico, invisível, mas real, capaz de deixar uma pessoa num estado de ansiedade, fragilidade e até depressão. Impossível construir uma relação saudável e de confiança com quem fala mentira e pratica gaslighting.

Preocupação em esclarecer ou reparar algum dano: quando existe o interesse em preservar uma relação de qualidade e de confiança, há também a preocupação e não deixar nenhum mal-entendido. Por mais que seja desconfortável tocar em determinados assuntos, é importante não jogar poeira debaixo do tapete fingindo que nada aconteceu.

Ser sincero: não há nada mais transmissor de confiança que falar a verdade. Quando somos sinceros comunicamos além das palavras.  É o que Freud chamava de “comunicação invisível”, aquela que não é ouvida, mas sim sentida. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários