8 de julho: Dia Mundial da Alergia

Publicado em 02/07/2022 às 06:00.

Anber Ancel Tanaka*

As doenças alérgicas têm estado presentes ao longo do desenvolvimento humano. Elas representam um importante problema de saúde na maioria dos países desenvolvidos, devido ao contínuo aumento da prevalência, com significativas consequências individuais e sociais. Tais doenças podem suscitar sérios problemas na prática clínica, com uma incidência bem grande na população e o aumento da incidência de casos graves.

Todas as formas de alergias tiveram um aumento durante as últimas décadas, sendo consideradas uma verdadeira “epidemia” do século XXI. As alergias podem ser respiratórias, a alimentos, cutâneas, a medicamentos e outras.

As mais frequentes são:

Alergias respiratórias são muito frequentes e a asma é talvez uma das mais conhecidas, definida como uma doença inflamatória alérgica crônica das vias aéreas que leva a vários graus de inflamação. Esta doença afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Sintomas como falta de ar, chiados no peito e tosse crônica levam a uma necessidade de investigação. Os principais cuidados em relação às alergias respiratórias envolvem estratégias de controle do ambiente para minimizar os impactos e muito cuidado com os ácaros que se alojam, muitas vezes, na cama, justamente onde passamos a maior parte do tempo.

Alimentos também podem ser causa de reações alérgicas. Entre os principais causadores estão: leite de vaca, ovo, trigo, soja, amendoim, frutos do mar, além de nozes e castanhas, devido a algumas proteínas presentes nesses alimentos. As alergias alimentares podem se manifestar desde reações agudas na pele como sintomas respiratórios e até mesmo casos mais graves de anafilaxia.

A pele também é o lugar de manifestação alérgica. Sintomas como vermelhidão, prurido, pele ressecada e manchas eritematosas podem ter causa alérgica. A dermatite atópica muitas vezes acomete crianças bem pequenas, levando a grandes dificuldades no seu manejo. Dificuldade para dormir devido o intenso prurido noturno leva a dificuldades no dia seguinte, tendo como consequência menor rendimento no trabalho ou na escola.

O nariz também é foco de alergias e a rinite alérgica é um exemplo. Na rinite, os sintomas mais comuns são inchaço da mucosa com obstrução nasal, coriza, espirros seguidos e coceira no nariz, na garganta e nos olhos. O diagnóstico pode ser feito a partir da investigação do histórico do paciente, além de testes na pele e exames de sangue.

A prevenção das crises é fundamental. Tenha uma dieta equilibrada com frutas, verduras e uma boa hidratação. Para quem tem alergia a ácaros, o ideal é manter a casa e o ambiente de trabalho sempre limpos. Utilize panos úmidos para evitar a dispersão de pó e o acúmulo dessas substâncias. No caso da dermatite atópica, evite banhos muito quentes, evite amaciante nas lavagens de roupas e sempre mantenha a pele bem hidratada. O controle da rinite pode ser feito pela prevenção do contato com os agentes causadores.

Temos muito a comemorar no dia mundial da alergia. Inúmeros avanços na pesquisa de novos tratamentos trazem atualmente maiores controles nos sintomas. Procure o médico especialista e tenha um diagnóstico correto e um tratamento adequado para que sua alergia permaneça controlada e, assim, você poderá ter uma melhor qualidade de vida.

*Professor de Dermatologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (Fempar) e chefe do Serviço de Dermatologia Evangélico Mackenzie do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie (HUEM)

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por