O dinheiro não muda as pessoas, apenas mostra quem elas são

Publicado em 14/05/2022 às 06:00.

Mauro Condé*

“O segredo da felicidade não é fazer sempre o que se quer, mas querer sempre o que se faz”.

Acabo de voltar de uma viagem rumo ao conhecimento, usando como meio de transporte excelentes clássicos da literatura mundial.

Eles me levaram para o ano de 1910, na cidade russa de Tula, onde fui recebido por Liev Tolstói, a quem fui logo pedindo:

Ensina-me algo que eu ainda não saiba e tenha o poder de mudar a minha vida para melhor.

- Nunca permita que sua ambição se transforme na sua maior perdição.

Tolstói foi um dos maiores escritores russos que eu já li. Entre seus clássicos, destaco o conto “De quanta terra precisa o homem?”.

Nele, um humilde camponês, de nome Pakhóm, um dia cai na bobagem de exclamar em voz alta:

“Se eu tivesse muito dinheiro, adquiriria muita terra e não temeria nem mesmo o próprio diabo”.

Para seu azar, o diabo, por acaso, ouve o que ele diz, por estar escondido bem próximo dele.

E resolve transformar Pakhóm no maior latifundiário da região, para testar os seus poderes.

Enfeitiça o camponês de tal forma que ele se endivida e adquire todas as terras possíveis da vizinhança.

Não satisfeito com o grau de cobiça e ambição despertado, o diabo se disfarça de chefe de uma grande aldeia siberiana e aparece para lhe lançar um desafio:

Ir para a Sibéria e lá, em troca de míseros trocados, adquirir a maior porção de terras que ele consiga demarcar em um só dia.

Mas com uma condição e um limite – que ele retorne a pé ao ponto de encontro, antes do pôr do sol, sob o risco de perder tudo o que já conquistara na vida.

Possuído pela ganância extrema, Pakhóm não só aceita o desafio, como decide se alongar para um pouco além do horário estabelecido, a fim de conquistar ainda mais terras.

Tenta compensar o atraso com uma corrida acelerada no caminho de volta, no meio da neve fina, até avistar uma montanha, para a qual se dirige para checar o quanto falta para alcançar o pôr do sol.

Com o coração disparado, ele passa mal e cai morto, bem aos pés do diabo, que balança a cabeça, dá um sorrisinho e exclama:

- Estes humanos não tomam jeito!

- Para que acumular tanta terra em vida, se ao final dela, a eles é destinado um pequeno espaço com  menos de dois metros de comprimento apenas?

E você? De quanto você precisa para ser feliz?

*Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por