Tiago ReisInvestidor há mais de 15 anos, fundador e CEO da casa de análise financeira Suno Research.

Top 3 de melhores ações para o segundo semestre

24/08/2021 às 19:53.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:45

Quem é adepto do value investing, estratégia de investimento que aposta no potencial de valor das empresas a longo prazo, sabe que é necessário estar atento e garimpar as melhores oportunidades disponíveis no mercado. Empresa sólida, que paga dividendos e que está sendo negociada na bolsa de valores por um preço abaixo do seu potencial é a perfeição para o investidor de valor. 

Hoje vou listar as 3 melhores ações para o segundo semestre de 2021. Na minha visão, são três oportunidades de investimento maravilhosas, ações interessantes, que estão indo bem neste momento (julho e agosto de 2021). Claro que o mercado é dinâmico e pode ser que essas ações deixem de ficar atraentes ao longo do segundo semestre porque se valorizavam. Mas, neste momento, são negócios rentáveis, que têm crescido ao longo do tempo e que estão sendo negociados em valuations interessantes. Confira abaixo:

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil é uma empresa sólida, que paga bons dividendos e que está bem descontada no momento  (R$ 29,95 no dia 23 de julho). Tenho reparado que no mercado financeiro a parte de investimento e a parte de banco digital estão muito quentes e, nessas duas vertentes, o Banco do Brasil tem ido muito bem. Para se ter uma ideia, a asset que mais cresce no Brasil é a do BB, possui R$ 1,3 trilhão sob sua gestão, quase o dobro da XP e do BTG.

Já pensando em banco digital, apesar de ser um banco estatal, as iniciativas do BB na linha digital têm vindo muito forte, por isso ganhou dos usuários uma das maiores notas entre os aplicativos de bancos. Além disso, atualmente 90% das transações do banco são feitas pelo meio digital, tanto pelo celular, quanto pelo internet banking (em 2018 não passava de 65%).  Fora tudo isso, o Banco do Brasil está pagando um bom dividendo e deve distribuir entre 8% e 9% este ano, um dos maiores da bolsa de valores. 

É válido ressaltar que no ano passado o Banco Central segurou os pagamentos de dividendos dos bancos, como este ano a regulação não está mais em vigor, provavelmente vai ter uma distribuição maior ainda. Vale ficar de olho e aproveitar o bom momento para comprar ações do Banco do Brasil neste segundo semestre.

Alibaba Group (BABA34)

Dificilmente um investidor desconhece o gigante chinês Alibaba. É um business que cresce bastante. É uma forma interessante de expor sua carteira na China com o BDR (Brazilian Depositary Receipts) BABA34 (em 23 de agosto era comercializado a R$ 30,48).

No modelo de negócio do Alibaba, o e-commerce é o carro-chefe e a empresa atua, principalmente, pelo Taobao.com e pelo Tmall.com, negócios C2C. Ou seja, pessoas vendendo para pessoas. O Alibaba ganha com as taxas nessas transações e também com a publicidade. 

A plataforma B2C (empresas para consumidores) do Alibaba também apresenta ótimos resultados. Na lista da Forbes das 100 maiores empresas do mundo, cerca de 80% já estão disponíveis no Tmall.

Mas se engana quem acha que o Alibaba Group trabalha apenas com e-commerce, há vários outros negócios ali dentro e um que já começou a se sobressair é o de cloud, armazenamento de dados em nuvem. Hoje em dia, muitas empresas não têm mais servidores, acabam terceirizando a parte de hospedagem e armazenamento de dados. A parte de cloud do Alibaba tem crescido quase 50% ao ano. Acredito que pode ser uma unidade bastante representativa no futuro, a empresa tem crescido  muito na China e fora da China.

É uma empresa que cresce, em um país que cresce acima da média, e no que que diz respeito à múltiplos é uma empresa que não está tão cara assim - negocia na casa de 20 vezes lucro. Por ser uma empresa que cresce bastante, com uma rentabilidade boa, é interessante investir em ações do Alibaba.

Energias do Brasil (ENBR3)  

Quem me acompanha sabe que a Energias do Brasil é uma empresa que gosto bastante. O setor elétrico é um dos meus favoritos por conta de sua previsibilidade e por ser essencial. Na minha visão, Energias do Brasil tem condições de ampliar os dividendos no curto prazo -- já está pagando 1 real por ação e acredito que a partir de 2023 vai poder pagar mais devido aos projetos que estão entrando em operação. Transmissão tem  margem alta, previsibilidade e isso vai tirar ainda mais o risco de uma operação que já é de baixo risco, que são geração e distribuição.

Acho que é uma empresa que vai se tornar mais lucrativa e com menos risco se ela não entrar em um novo ciclo de investimentos, como entrou há uns 4 anos.  Ainda não deve vir esse ano, mas já no ano que vem a ENBR3 deve pagar mais de 1 real por ação,  acho que pode pagar até R$ 1,7, que dá quase 10% de dividend yield. Minha expectativa é que quando ela começar a pagar isso,  vários investidores serão atraídos pelos dividendos e, com a maior demanda, provavelmente o preço vai subir.

Neste momento ainda está barato (R$ 18,12 em 23 de agosto). Talvez seja a última chance de comprar nesse preço. Quem estiver disposto a pagar na frente vai ser premiado com toda certeza.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por