As negociações digitais foram responsáveis por grande parte dos muitos negócios fechados em Juruaia, no sudoeste de Minas, conhecida como “Capital da Lingerie” por ser uma referência na fabricação em moda íntima, praia, fitness e pijamas.

Por lá, foi registrado crescimento de 50% nas vendas durante o mês de junho, em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Associação Comercial e Industrial de Juruaia (Aciju). Os principais produtos? Lingeries e pijamas.

“No início da pandemia no Brasil, o mercado em geral ficou preocupado com a reação do público consumidor em relação aos cuidados e prevenção à Covid-19, principalmente em relação ao fechamento das lojas e da quarentena”, relata José Antonio da Silva, presidente da Aciju.

Segundo levantamento da associação, o sucesso de vendas se deve, principalmente, ao já estruturado sistema de vendas on-line e por telefone que as confecções da cidade têm e à feira virtual promovida em maio.

Leia mais sobre moda e beleza em:

Festa do pijama! Pandemia faz roupa de dormir roubar a cena e se tornar protagonista

Inovação e comunicação digital são essenciais para a moda durante pandemia do coronavírus

Para inspirar: mulheres mostram que cabelos grisalhos e autoestima podem andar juntos

Autor de best-sellers de moda, André Carvalhal diz que é preciso 'pensar na vida com Covid'

Confira minientrevista com José Antonio da Silva, presidente da Aciju:

1. O crescimento das vendas de pijamas é atribuído ao fato de as pessoas estarem mais em casa?
Exatamente. O que o segmento de lingerie e pijamas vivenciou em Juruaia foi uma situação completamente inusitada. A procura por pijamas chegou a crescer mais de 150% em algumas lojas, que só não fizeram mais negociações por falta de produtos no estoque. Essa grande procura se deve com certeza ao fato de as pessoas estarem em casa, em home office, ou até mesmo de férias, e ainda assim preocupadas em estarem confortáveis e prontas para uma reunião on-line. É importante destacar que este desempenho positivo só foi possível graças à estrutura de vendas on-line existente em Juruaia, já que praticamente todas as compras foram feitas por meios digitais ou a distância, por telefone.  

2. A demanda fez com que as confecções redirecionassem a produção?
Com a incerteza econômica imposta pela chegada do coronavírus no Brasil, muitas indústrias pausaram as produções, aderindo às medidas propostas pelo governo federal. Mas com o aquecimento das vendas e o controle parcial da propagação do vírus, as confecções voltaram a produzir dando preferência e destaque às peças com maior aceitação no mercado, como lingeries, pijamas e também as máscaras de tecido.

3. Quais as novidades o polo de Juruaia traz ao mercado durante e para o pós-pandemia?
Tivemos a Felinju Online, uma feira totalmente virtual que impulsionou as vendas nos meses de maio e junho, atraindo a atenção de compradores de todo o Brasil por meio da divulgação do polo. Agora, a intenção é continuar promovendo eventos e ações comerciais on-line, ao longo do segundo semestre, inclusive com a realização de rodadas de negócios virtuais, para facilitar o contato, apresentação dos produtos e negociação com os clientes.

Veja, na galeria de imagens, alguns dos modelos desfilados na Felinju Online: