Por mais que uma boa imagem pessoal abra vantagens nas relações sociais, embelezar-se deve ser, antes de tudo, um ato de amor próprio. Um reforço para a autoestima, diminuição da ansiedade e a manutenção da saúde mental, especialmente em tempos de pandemia. A própria história da humanidade se encarrega de provar isso.

Evidências estatísticas mostram que o consumo de cosméticos sobe em grandes crises - como as guerras mundiais -, mesmo que o poder de compra tenha sido reduzido. É o termo chamado de “Índice Batom”, cunhado por Leonard Lauder, presidente da empresa de cosméticos Esteé Lauder, nos meses subsequentes ao 11 de setembro de 2001. Por serem produtos mais baratos, mas que promovem bem-estar, acabam sendo mais buscados do que artigos de luxo.

“Historicamente, depois de um momento de fragilidade social, a gente busca nas cores, na energia delas, que impacta diretamente nosso psicológico, a beleza, de forma geral. Agora na pandemia, inclusive, essas ferramentas nos auxiliam muito na manutenção da autoimagem e autoestima”, destacou Priscilla Pêgo, maquiadora regional de O Boticário, em live realizada no nosso Instagram.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Jornal Hoje em Dia (@jornalhojeemdia) em

Análise

Relatórios da consultoria Euromonitor Internacional, do último mês de julho, apontam que as vendas de produtos de skin care e para os cabelos no Brasil serão as menos atingidas na área da beleza pela pandemia de Covid-19. Na outra ponta, com menor destaque, estarão as fragrâncias e as maquiagens. No entanto, os mesmos estudos sinalizam rápida recuperação dos itens e também dos tratamentos logo em 2021.

“Espera-se que as vendas de cosméticos coloridos tenham queda de 10% em 2020 a preços constantes de 2019, à luz do impacto da pandemia. Isso se compara à redução de 2% prevista para 2020 durante a pesquisa realizada no fim do ano passado”, afirma o estudo da Euromonitor.

Sombra, maquiagem, cosmético

Cosméticos coloridos têm potencial para alegrar o dia a dia

“Aposto que, no pós-pandemia, a gente vá extravasar mais. Nosso foco de comunicação maior é o rosto, então, ele chega antes da roupa. Muita sombra colorida, batons coloridos, blushes como as mulheres usavam nos anos 80. Acredito muito no potencial das cores para alegrar a vida da gente”, coloca a maquiadora.

Já os produtos de skin care, de acordo com a empresa de consultoria internacional, serão puxados positivamente pelos cuidados com as mãos. “Com as instruções oficiais de desinfecção, as mãos do consumidor ficaram secas. Isso significa que o cuidado com as mãos foi capaz de registrar um crescimento positivo do valor em 2020 a preços constantes de 2019”, diz o documento.

Leia mais sobre moda e beleza em:

Hoje em Dia AO VIVO: bate-papo sobre cabelos e mercado da beleza com Idalécio Ferreira

Moda na quarentena: serviço individualizado no conforto do lar antes, agora e sempre

De porta em porta: marcas de moda apostam em 'malinhas personalizadas' para conquistar clientes

Festa do pijama! Pandemia faz roupa de dormir roubar a cena e se tornar protagonista

Inovação e comunicação digital são essenciais para a moda durante pandemia do coronavírus