Você sabe identificar o seu biotipo? Se ainda não, é bom entender que conhecê-lo pode ajudar na escolha da roupa que irá valorizar mais a sua silhueta. Os sete formatos de tipo físico são: triângulo invertido, triângulo, retângulo, ampulheta, oito, redondo e oval. Na consultoria de imagem, a definição de biotipo dispensa a medição em centímetros e foca na proporção entre as medidas. 

O primeiro passo é a descoberta do osso “acrômio clavicular”, localizado na ponta do ombro. Em seguida, deve-se encontrar o osso “tubérculo ilíaco”, que aponta para frente no quadril. O terceiro, descobrir o ponto mais profundo da cintura. Identificados os pontos, trace uma linha reta entre o ombro e o ponto da cintura.

Se o ponto do ombro for mais para dentro que o do quadril, o biotipo é triângulo. Já o biotipo triângulo invertido, o ponto do quadril fica mais para dentro que o do ombro. Ambos não necessitam da medida da cintura.

Já no caso de os pontos do quadril e do ombro estarem alinhados em uma reta, será necessário analisar a cintura. No biotipo ampulheta, o ponto da cintura fica para dentro da linha reta traçada. No formato retângulo, este fica levemente para dentro ou quase reto. No biotipo oval ou redondo, o ponto da cintura estará para fora da reta.

biotipo

Esquema dos biotipos 

Adequação

Cada formato tem um tipo de peça ideal, explica a consultora de imagem Deborah Zandonna, mas não dá para abandonar o estilo pessoal. “Todas as peças podem ser usadas. Se estiver usando uma que desfavoreça, pode utilizar outros recursos para equilibrar a silhueta”, explica a consultora de imagem Deborah Zandonna.

Os tons escuros, por exemplo, são usados quando a ideia é dar a sensação de tamanho menor. Já os tons claros e estampas possibilitam a valorização de determinada parte do corpo.

Deborah Zandonna

Zandonna: segredo são roupas que valorizam o biotipo 

Confira algumas dicas:

- Ampulheta: a aposta é nos cintos, peças com recortes na cintura, transpassadas ou modelagens que marcam as curvas. Pessoas com esse biotipo devem evitar roupas soltas.

- Oito: casacos com ombreiras, lapelas ou fitas, mangas volumosas. Já estampas redondas e bolas na região superior do tronco devem ser evitadas.

- Oval: apostar em peças com decote V ou U e modelagens acinturadas. Roupas justas na parte do abdômen devem ser evitadas.

- Redondo: é recomendável a gola V e blusas pouco justas na cintura. Acessórios como colares longos ou lenço caído sobre os ombros também são aliados desse formato. Por outro lado, golas altas e redondas podem ser descartas.

- Retângulo: buscar a impressão de uma cintura mais fina. As roupas justas e acinturadas na parte de cima evidenciam e marcam a falsa cintura, criando uma silhueta mais curvilínea. Mas se deve evitar o look todo justo.

- Triângulo: ideal é chamar atenção para parte de cima do corpo com peças ombro-a-ombro, cores em tons claros ou com detalhes capazes de equilibrar os volumes.

- Triângulo invertido: investir em tons escuros na parte de baixo, para dar sensação de menor tamanho. 

*Amanda Souza, sob supervisão de Flávia Ivo