“Parece que quando é na nossa cidade, o artista fica mais perto da gente, né?”. A reflexão é do músico mineiro Luís Couto, um dos vários entusiastas de Oasis que contam os dias para o primeiro show de Noel Gallagher em Belo Horizonte. É um presente de natal antecipado para quem cresceu escutando as canções do inglês: o rockstar se apresenta neste sábado, no KM de Vantagens Hall, com seu projeto solo, o Noel Gallagher’s High Flying Birds. 

Vocalista e guitarrista da banda Devise, cuja influência do Oasis é evidente, Couto celebra a oportunidade de estar mais uma vez frente a frente com o ídolo. “Meu primeiro e único show do Oasis foi em 2009, pouco antes deles se separarem. Eu vi minha vida passar ali no palco. Já o Noel sozinho já vi três vezes”, conta, ressaltando o impacto que o grupo teve em sua formação musical. “Oasis é minha banda favorita desde que montei meu primeiro grupo. É uma influência natural, sabe? Eu não faço o movimento de ‘buscar’ o Oasis como referência, porque a obra deles corre muito forte dentro de mim”, afirma. 

E quais as características mais captam os fãs da então autodeclarada “maior banda do mundo”? Criador do Oasis News, o maior portal brasileiro sobre o grupo, Alisson Guimarães explica. “O fascínio pela banda talvez venha da honestidade do som. Rock, antes de tudo, deve ser autêntico. E o Oasis foi autêntico até demais”, pontua. 

O jornalista mineiro comenta ainda as diferenças entre os irmãos Gallagher, conhecidos pela genialidade musical e também, pela língua ferina. “Acho que um é o complemento do outro. Artisticamente falando, a voz de Liam deu vida perfeita às canções de Noel; a genialidade de Noel se materializou através de Liam. Quanto à língua afiada, acho o maior barato. Nem sempre eles querem ser polêmicos. Tem muito do sarcasmo inglês, que muita gente não entende”, comenta Guimarães.

Couto destaca outros méritos. “Eles têm o melhor dos movimentos que mais me interessam no rock. Uma mistura da ousadia dos Mods com a irreverên-cia do movimento Mad-chester e uma pitadinha de Sex Pistols. Fala-se muito da relação do som deles com os Beatles, que é inegável. Mas os vejo muito mais ligados a esses outros movimentos. Oasis no palco é punk”, afirma o músico.

“Fui a cinco shows e uma passagem de som do Oasis. Do Noel, assisti dois. As experiências são diferentes. O show de Noel é mais direto, ele não é de fazer discurso. Como ele sempre disse: ‘tudo tem a ver com a música’”, assinala Guimarães.

 

Alisson Guimarães

O jornalista mineiro Alisson Guimarães, criador do site Oasis News, em foto ao lado de Noel Gallagher, tirada na passagem do músico britânico pelo Brasil em 2012

 

Com três discos, projeto solo anda com as próprias pernas

Ao que pese a presença do Oasis no repertório dos shows, vale lembrar a importância da carreira solo de Noel Gallagher. Atualmente, seu High Flying Birds já tem três discos lançados, sendo o último o elogiado “Built The Moon”, de 2017. “Acho que Noel foi melhorando a cada disco solo. Neste último disco, nunca vi um trabalho dele tão ousado em termos estéticos. Eu gostei muito de ver ele fazendo músicas mais experimentais. Acho que a influência do David Bowie, que Noel sempre se declarou muito fã, apareceu de maneira mais clara nesse disco”, afirma o músico Luís Couto. 
Para o jornalista Alisson Guimarães, trata-se de um dos melhores momentos da fase solo do britânico. “BH vai receber Noel em sua fase musical e pessoal mais feliz. Ele está totalmente à vontade com o que vem produzindo e com a banda que tem. O entrosamento com os músicos é nítido, bem diferente do Oasis, que era movido pelo caos. Com certeza, será um show leve, divertido, e com ares de celebração por parte dos fãs”, diz.

 

Luís Couto

Cantor e guitarrista da Devise, banda que tem forte influência de Oasis, o músico Luís Couto posa com seus preciosos LPS da banda e também do projeto solo de Noel Gallagher

 

Em BH, Oasis motivou criação de portal de notícias e de torcida organizada de futebol

A Galoasis é uma das provas da paixão dos mineiros pela banda britânica. A torcida organizada do Atlético reúne o gosto pela música e pelo futebol – tal qual fazem os irmãos Gallagher, notórios entusiastas do esporte. “Tudo surgiu de uma brincadeira. Fui criar uma senha para um login qualquer e pensei: ‘Galo ou Oasis? Galoasis!’. Vi que soava perfeito e comecei a mencionar o nome em alguns fóruns de Oasis que eu participava”, conta Pedro Dias, criador da torcida. 

“Aos poucos, as pessoas começaram a reconhecer aquilo e a se manifestar também. Passamos a ir juntos ao estádio e o barulho foi aumentando. Criamos uma logomarca, camisas, uma faixa muito bonita e um perfil no Instagram”, continua Dias. Tirando os cruzeirenses e torcedores de times que têm rivalidade histórica com o Atlético, a galera adora”, brinca. 

O mineiro traça paralelos entre os fãs atleticanos e os Gallagher. “O atleticano é um torcedor bem emblemático, que já sofreu muito. E também é assim como os Gallagher, com o Manchester City, tem essa identificação”, comenta. “É uma honra receber seu maior ídolo na cidade onde você cresceu, onde assistiu seu time do coração jogar a vida inteira. A vontade que temos é de deixar esse show na memória dele para sempre”.

Outro aglutinador de fãs de Oasis em BH (e no Brasil) é Alisson Guimarães, criador do Oasis News, maior site sobre a banda no país, criado em 2004. “Na época, via que o Oasis tinha muitos fãs no Brasil, mas que estavam espalhados. A ideia foi justamente juntá-los para fortalecer essa base, que hoje é muito sólida”, conta. “Na última turnê do Oasis no Brasil, em 2009, tinham fãs de Manaus e Porto Alegre assistindo aos shows juntos. Isso é o mais gratificante”, completa. 

A partir do site, Guimarães criou o Oasis Day, que desde 2008 acontece em várias cidades do país, com bandas cover e fãs celebrando o legado do grupo. “Música alimenta a alma. É o único tipo de amor que não te decepciona. Quanto mais pessoas você unir através da música, melhor. E foi isso que o Oasis fez e os Gallagher continuam fazendo”.

Galoasis

 A faixa da Galoasis, inspirada na logomarca da banda britânica, esticada em um jogo do Atlético Mineiro; torcida faz jus à paixão dos irmãos Gallagher pelo futebol

 

As cinco mais do Oasis

Luís Couto (Devise)
1. “Slide Away”
2. “Live Forever”
3. “Magic Pie”
4. “Gas Panic!”
5. “Keep The Dream Alive”


Alisson Guimarães (Oasis News)
1. “Columbia”
2. “Slide Away”
3. “Some Might Say”
4. “Going Nowhere”
5. “Gas Panic!”

Pedro Dias (Galoasis)
1. “Live Forever”
2. “Champagne Supernova”
3. “Columbia”
4. “Slide Away”
5. “Gas Panic!”