A série de rali “Dirt” tem passado por mutações ao longo dos anos. A franquia que estreou nos anos 1990, assinada pelo saudoso piloto escocês Colin McRare, foi um dos primeiros games de categoria que tiveram êxito ao buscar uma jogabilidade mais focada na simulação e não no arcade, onde “Sega Rally” era o principal representante dos games off-road. 

Com a morte de McRae, num acidente de helicóptero, a franquia perdeu o garoto propaganda e precisou se reinventar com “Dirt”. Além da mudança de nome, a série também mudou o estilo de jogabilidade, aproximando-se do arcade e não da simulação.

Um dos melhores exemplos foi “Dirt 3”. Publicado em 2011 para PC, PS3 e Xbox 360, que até hoje é um game referência para quem busca brincar na lama sem ter que se dedicar a um aprendizado interminável. Mas a Codemasters viu que era necessário voltar ao velho formato. Em 2015 “Dirt Rally” resgatava o antigo padrão de jogo, assim como “Dirt 4” e agora “Dirt Rally 2.0”.

O game foca basicamente em duas modalidades: rali de velocidade e ralicross. O jogador pode construir o personagem, dar nacionalidade e até mesmo escolher o sexo e a cor da pele, numa lista de opções. 

Apesar de não ser o game oficial da FIA, o título coloca o jogador em campeonatos solos e também em desafios diários e semanais, com ranking on-line. 

Carros
Um dos grandes baratos de qualquer game de rali é quando a lista de automóveis contempla modelos de diferentes gerações. Nesse jogo não é diferente. O jogador tem um leque que vai de modelos como Fiat 131 (que ilustra a página) a modelos recentes como o VW Polo, Opel Adam e até mesmo supercarros, como Porsche 911 e o Aston Martin Vantage.

Pistas
O game também tem um grande número de pistas e traçados espalhados pelo mundo. Argentina e Portugal são alguns dos países que sediam ralis no game. 

Gráficos
Um dos pontos altos do game é a qualidade gráfica. O jogo tem visual impecável, efeitos de iluminação, poeira e sombras que garantem realismo à produção, assim como a sujeira que impregna na lataria e respingos que se acumulam no para-brisas. 

Tradicionalmente o game conta com visões de fora do carro, sobre o capô, na frente do para-choque e de dentro da cabine. Vale também destacar a física, assim como o comportamento dinâmico do carro em diferentes tipos de piso. E, para completar, o som dos motores é extremamente fiel aos dos veículos reais.

Jogabilidade
“Dirt Rally 2.0” é um game que busca entregar para o jogador uma experiência de jogo que simula uma prova real. A cada etapa o jogador precisa levar o carro para a oficina. E assim como nas provas de rali, a equipe dever fazer os reparos dentro de uma janela de tempo. 

Suspensão, pneus, direção, funilaria, motor e transmissão são alguns dos itens que precisam ser revisados. O segredo para não ter que gastar tempo na garagem é evitar choques. Colisões em muretas, árvores e demais obstáculos podem comprometer seriamente a integridade do carro.

Ponto final
Pilotar em “Dirt 2.0” não é simples, mas também não é impossível. O jogador tem assistentes que podem facilitar o aprendizado. Trata-se de um game para quem gosta de esporte a motor, curte comparar as diferenças de comportamento e desempenho de cada da carro. 

Disponível para PC, PS4 e Xbox One, com edições a partir de R$ 230.