Antes de “Uncharted” e “The Last of Us” elevarem a Naughty Dog para a lista dos grandes estúdios de games, “Crash Bandicoot” já bombava no PS1. O game estrelado pelo marsupial humanoide chegou em 1996 com a missão de ser o Sonic da Sony. O game explorava o estilo de jogabilidade 3D, que tinha chegado aos consoles caseiros das gerações 32 e 64 Bits. Agora Crash se prepara para retornar ao mercado, em “Crash Bandicoot 4: It’s About Time”, que desembarca em 2 de outubro para PS4 e Xbox One, por R$ 200.

Desenvolvido pelo estúdio Toys For Bob e distribuído pela Activision, o game ganhou uma edição demonstração com três fases. O novo “Crash” mescla jogabilidade 2D em side scrolling com 3D. O nível de desafio é intenso, bastante fiel aos jogos dos anos 1990. Qualquer bobeada é uma vida a menos e, dependendo da fase, é preciso reiniciar o estágio. 

Enredo

Crash e a amiga Coco viviam numa boa na Ilha Wumpa, quando descobriram que o vilão Dr. Neo escapou da prisão e usou traquitanas tecnológicas para abrir um portal temporal e criar uma bagunça no universo. Para dar cabo no inimigo e restabelecer a normalidade no universo, o marsupial vestirá mais uma vez a máscara quântica.

O artefato permite que Crash desacelere a passagem do tempo, com uma breve câmera lenta. Função muito útil para transpor determinados obstáculos. A máscara também dá pontos de vidas extras. 

Caixas

A máscara fica escondida em caixas. Nessas caixas [/TEXTO]também há maçãs. Como em “Sonic” e “Super Mario Bros”, a cada 100 maçãs coletadas Crash ganha uma vida extra. E vidas sobrando são fundamentais vencer as fases, principalmente quando se joga no modo clássico, em que as vidas são limitadas. Apesar de o game contar com checkpoints, que facilitam a travessia, qualquer dano ou pulo mal calculado é uma vida a menos.

Graficos

“Crash Bandicoot 4” é bastante fiel ao primeiro game da franquia, assim como as publicações posteriores. O estilo cartunesco é o mesmo. O que muda é polimento do game, com nível de detalhamento mais caprichado. Além disso, a transição do 2D para o 3D é mais fluida.

Primeira impressão

A primeira impressão de “Crash Bandicoot 4”, na edição de demonstração, revela um jogo da velha guarda que se manteve fiel ao estilo original, mas faz uso de ferramentas atuais de desenvolvimento para entregar um game dinâmico.

As animações e a dublagem em português dão uma compreensão mais precisa do enredo do game, que pode ser um pouco confuso. Uma ótima pedida para unir gerações. Pais e filhos, tios e sobrinhos têm uma boa diversão em conjunto.