Na literatura, no cinema, nas novelas, nos desenhos, no teatro e nos quadrinhos, o vilão é o sujeito que se dá bem durante toda a trama, mas fatalmente sucumbe no final. Com raras exceções, como em “O Império Contra-Ataca”, em que o personagem malvado prevalece. Nos games, não é diferente. Na grande maioria das vezes o jogador encara o mocinho, o perseguido, o herói ou o caçado. Mas “LEGO DC Super Villains” quebra paradigmas e dá vez à bandidagem.

No caso, os vilões do universo da DC Comics de franquias como “Liga da Justiça”, “Super-Homem”, “Batman”, “Mulher Maravilha” e tantos outros super-heróis com calção por cima da calça. Assim, o jogador tem um leque de bandidos para controlar, como Coringa, Charada, Espantalho, Darkseid, Espantalho e tantos outros. 

Meu malvado favorito
No entanto, o mais legal é que o game permite que o jogador crie seu próprio vilão (como o sujeito da foto abaixo). Para isso, tem um leque de “peças” para montar seu alter ego do mal. Diferentes tipos de cabeças, feições, cabelos, capacetes, capas, barbas e combinações de texturas de roupas são um dos pontos fortes do game. 

O mais legal é que seu vilão personalizado faz parte da campanha principal. Chamado de “O Novato”, está junto de supervilões como Lex Luthor, Era Venenosa, Arlequina e cia. Além disso, a cada fase concluída ele recebe um novo superpoder.

Na trama, O Novato adquiriu uma habilidade de absorver poderes de vilões e super-heróis. A história começa com ele sendo conduzido pelo comissário Gordon até a Ilha Stryker, em Metrópolis (cidade do Super-Homem). Ele oferece a Luthor uma regressão de pena caso ele vigie o desenvolvimento do jovem delinquente. Claro que não dá certo e Lex consegue escapar junto co<CW0>m O Novato e demais vilões.[TEXTO]

No decorrer do game, o enredo insere dezenas de personagens da DC, tanto vilões como heróis, assim como diferentes sagas e universos paralelos dos gibis. Tudo isso cria uma história tresloucada que é um prato cheio para os fãs dos qua[/TEXTO]drinhos da editora. <EM>

Selfies
Um dos destaques do game é o modo fotografia. Ele deixa um botão de comando exclusivo para que o jogador possa tirar uma selfie de seu personagem a qualquer momento. 

O modo fotografia se tornou um recurso corriqueiro nos games modernos. Trata-se de uma ferramenta genial de marketing dos estúdios e publishers, pois eles estimulam os jogadores a produzir imagens e compartilhar nas redes sociais, o que eleva a popularidade do game. 

Gameplay
“LEGO DC Super Villains” segue a receita de jogabilidade dos demais títulos da TT Games. O jogador pode cambiar bonequinhos, precisa quebrar objetos para construir novos, coletar moedas para comprar equipamentos e personagens. 

O gameplay segue dinâmico e intuitivo. Ao contrário dos primeiros games LEGO, em que a movimentação era confusa devido à mudança dos ângulos de câmera, agora o game é bem fácil de se orientar e conduzir os personagens. Visualmente, ele mostra alto nível de detalhamento na textura das peças de plástico que foram os personagens, tal como a pintura dos elementos faciais e das roupas.

Com versões para PC, PS4, Xbox One e Nintendo Switch, os preços de “LEGO DC Super Villains” variam de R$ 200 a R$ 290.

Confira outros games no GameCoin