As Cartas de Mo são usadas por Maria José Marinho, professora de yoga e terapeuta há 57 anos, para dar “respostas” a vários questionamentos e buscas das pessoas. “Aponta caminhos para quem está precisando fazer uma venda, resolver desarmonia familiar, qualquer coisa de sofrimento”, afirma ela, do alto de seus 89 anos.
“Trata-se de um método preditivo antigo da cultura tibetana. Quando os raios flamejantes do sol aparecem nos dados, qualquer obstáculo encontrado por aquele que questiona sem reservas será resolvido”, explica a professora sobre as Cartas de Mo.

Buda, antes de morrer, detalha a terapeuta, tinha com ele um monge de muita confiança e conhecimento, chamado Manjusri, a quem se recorre nas Cartas de Mo. “Você joga um dado nos pés de Manjushri, que é a personificação de todos os monges do passado, faz oração, usa mantras”, conta ainda.

Textos sagrados
Maria José Marinho conta que as Cartas de Mo são jogadas em uma mandala, com mais de 30 dados. Ela, como terapeuta, orienta a pessoa submetida às cartas. “Faz-se uma pergunta, joga-se um dado com números e letras e o resultado é interpretado usando textos sagrados. Aquilo que a pessoa pediu tem a resposta”, afirma.

Tudo começa dentro
As Cartas de Mo são uma das inúmeras terapias oferecidas por Maria José Marinho e, mesmo sendo apontadas como claramente divina-tórias, isto é, capazes de apontar o desenrolar de acontecimentos como casamento, negócios, construção da casa ou doença, também elas têm seu funcionamento atrelado ao princípio budista de que tudo que vemos fora são os nossos próprios conceitos formados na mente.

Leia mais:

Como será o amanhã? Cresce procura por terapias que se propõem a abrir caminhos para vida mais leve