Na quaresma – que neste ano vai até 3 de abril –, muitos católicos optam por penitências, sejam elas de não fazer ou não comer algo de que gostem muito, como referência aos 40 dias em que Jesus jejuou no deserto. 

Além disso, é tradição que o peixe apareça nos pratos de muitos brasileiros, em substituição à carne vermelha. Porém, esse hábito deveria ser mantido o ano todo, segundo especialistas. Além de prevenir doenças, o peixe traz inúmeros benefícios à saúde, como a diminuição do risco de problemas cardíacos e do Alzheimer e melhora da memória.

“Os peixes têm proteínas de alto valor biológico, na sua maioria, ainda possuem ômega 3, um tipo de gordura antiinflamatória e, geralmente, têm pouca quantidade de gordura”, explica a nutricionista, mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG Carmen Zita.

Gordura saturada
Além dos benefícios do ômega 3, cujas propriedades antiinflamatórias são positivas para os sistemas nervoso e cardiovascular, é bom evitar a gordura saturada presente nas carnes vermelhas, que tem efeito contrário ao do peixe: é pró-inflamatória. Por isso, o consumo dos pescados deve ser extendido para além da quaresma, aconselha a nutricionista.

Na hora do preparo
A também nutricionista Graziela Mendes chama a atenção para o momento de cozinhar: “É necessário ter cuidado na forma de preparo, pois a maneira de cozinhar pode diminuir o teor nutricional e aumentar o percentual de gordura, sendo prejudicial à saúde, visto que torna-se mais calórico e menos saudável”, diz.

“Em primeiro lugar, destaco o peixe cozido como uma das melhores opções. No entanto, alimentos cozidos perdem as vitaminas C, que se dissolvem na água fervente. Dessa forma, para preservação nutricional, a melhor maneira é diminuir a quantidade de água, esperar ferver e só depois adicionar o alimento”, aconselha.

Feito no vapor
O segundo lugar para a melhor forma de preparo é cozinhar o peixe no vapor, segundo Graziela Mendes: “Esse método conserva todos os nutrientes do pescado, além de preservar a cor, aroma e textura natural do alimento. Podemos ainda incluir temperos naturais como limão, pimenta, salsa, alho e um pouco de sal e azeite. Além de saudável, é uma forma rápida para preparar”, recomenda.
(*) Estagiária, sob supervisão de Luisana Gontijo