Conhecida pela diversidade turística e pelos roteiros gastronômicos, a região da Serra da Mantiqueira, que se estende por Minas, São Paulo e Rio de Janeiro, tem se destacado também na produção de cafés, azeites e queijos premiados nacional e internacionalmente. Em território mineiro, os cultivos ganham ingrediente extra: orgânicos, ou seja, eliminando o uso de aditivos químicos e agrotóxicos. 

Produtor rural, empresário e proprietário da Azeite Verde Oliva, Luiz Yamaguti foi o primeiro do Brasil a fabricar um azeite extra-virgem orgânico. Instalado em Maria da Fé e Delfim Moreira, onde reúne cerca de 35 hectares de três variedades de azeitonas, é também o único da América Latina a manter uma agricultura biodinâmica – baseada nos princípios de Rudolf Steiner, pai da Antroposofia, que utiliza conhecimentos em astronomia.

Máximo cuidado

Colhidas em intervalos de até uma hora e meia, as azeitonas são processadas imediatamente para garantir a qualidade do produto final. Por ano, são produzidas de quatro a cinco toneladas do azeite especial, que deve atingir a capacidade máxima, de 30 toneladas, em até cinco anos. 

20% foi crescimento do mercado de orgânicos no Brasil, de 2017 para 2018, conforme o Ministério da Agricultura

“Nada do que é gerado na fazenda é descartado, tudo volta para a terra. Até a água (sem produto químico) usada para lavar o chão,e que só tem resíduos de azeite, é reutilizada nos biofertilizantes. Bagaço de azeitona, terra, folha, tudo volta”, detalha Yamaguti. 

Comercializado em frascos de 250 ml, o azeite produzido nos dois municípios mineiros é distribuído em estabelecimentos de produtos naturais e orgânicos espalhados pelo Brasil. 

“O olhar especial para os orgânicos tem relação com a proximidade de São Paulo, um mercado em potencial, nicho sustentado por outras características da região”

Fernando Tinoco, coordenador de Agroecologia da Emater-MG

Procedência

Proprietário da Honey & Coffee, em São Gonçalo do Sapucaí, Alessandro Hervaz também vem apostando, há pouco mais de três anos, no cultivo orgânico de café. O produto dele faz parte do cinturão Mantiqueira de Minas, que tem selo de Indicação de Procedência, carimbo nacional que valoriza a mercadoria e a região onde é produzida, diferenciado-a das demais.

“Acredito que seja uma tendência. Penso no orgânico como oportunidade, ambiental e economicamente sustentável”, afirma o produtor. Atualmente, 10% da produção de café dele são orgânicos.

22 municípios integram a “Mantiqueira de Minas”, região que conquistou selo de indicação de procedência de cultivo de café em 2011

Cultivo 'verde' dá origem a cosméticos e óleos naturais

Em São Lourenço, o compromisso com o meio ambiente e a preocupação com a saúde, tanto de quem atua no campo quanto de quem consome os produtos que saem dele, deu origem a uma empresa especializada em cosméticos naturais: a Amantikir Origem Natural. 

Localizada na região do Circuito das Águas, a empresa acompanha e assegura a qualidade de cada etapa da produção, desde o plantio da matéria-prima, em Soledade de Minas (a 10 quilômetros da sede), à distribuição dos produtos para todo o Brasil.

Orgânicos na Serra da Mantiqueira

ORIGEM NATURAL - Plantas cultivadas de maneira 100% sustentável em propriedade rural de Soledade de Minas, a 10 quilômetros de São Lourenço, dão origem a óleos essenciais e vegetais e cosméticos produzidos pela Amantikir, que também fabrica produtos apícolas (duas fotos do alto). Honey & Coffee e Verde Oliva também produzem café e azeite livre de produtos químicos e agrotóxicos

Localização favorável

O proprietário, Demian Lage, diz que as condições da região são favoráveis ao cultivo orgânico. Dentre os produtos fabricados estão cosméticos, como o creme facial de aloe-vera e geleia real, um dos carros-chefes, e óleos naturais e essenciais, como lavanda, calêndula e hortelã-pimenta, tudo produzido na fazenda da família ou comprado de pequenos produtores locais.

“O clima, temperado de altitude, é muito favorável para diversas plantas. E o solo não é tão degradado como em outras partes do Sudeste. Em alguns locais, conseguimos retomar o manejo adequado e seguir com os preceitos de uma produção 100% orgânica”, explica Demian. 

Além de as plantas não serem cultivadas com agrotóxicos, os extratos feitos a partir delas não levam aditivos químicos, como parabeno. Os cosméticos também não são testados em animais. 

Com o objetivo de repensar o ciclo de vida dos resíduos, a Amantikir também implementou um selo de reciclagem em parceria com cooperativas. Por meio dele, centenas de embalagens descartáveis são retiradas do mercado. “Concretiza nossa ideologia de tornar o mundo mais sustentável para a nossa e as próximas gerações”, reforça o empresário.

Leia mais:

Mais orgânicos na mesa: produtores de Minas aumentam cultivo de comida sem veneno

Dupla ameaça no ar: além dos agrotóxicos, ondas eletromagnéticas podem prejudicar abelhas

Ameaça ao 'ouro' do Cerrado: praga ainda pouco conhecida ataca pequizeiros de 13 cidades mineiras