Quem joga online sabe muito bem que o universo multiplayer é cruel. Além de enfrentar jogadores muito mais experientes, a falta de equipamentos de ponta compromete drasticamente a competitividade. Teclados, placa de vídeo, memórias, unidade de armazenamento, tudo interfere na hora do “vamos ver”. Inclusive o monitor.

Quanto maior a performance do equipamento, melhor é o desempenho no game. No entanto, sabemos que equipamentos de ponta custam uma fortuna. Montar uma máquina com o que há de mais moderno pode superar facilmente a cifra dos R$ 30 mil.

No caso dos monitores a grande vantagem está na taxa de atualização e também no tempo de resposta. Um monitor convencional tem troca de quadros em 60 Hertz, enquanto um monitor gamer começa em 140Hz. É como uma piscada de olho. Num monitor mais simples seus olhos ficariam fechados pelo dobro do tempo.

E o abismo pode ser ainda maior. As opções mais sofisticadas entregam 240Hz. Ou seja, quatro vezes mais rápido. Numa partida online corresponde visualizar e atingir seu oponente primeiro.

Mas a Samsung promete dar maior protagonismo aos jogadores menos afortunados. Ela acaba de lançar o Odyssey G3, que chega para ser seu monitor gamer de acesso. Com medidas de 24 e 27 polegadas, com preços de R$ 2,4 mil e R$ 2,9 mil, na ordem, essas telas fazem a ponte entre o monitor convencional e os caríssimos modelos de alta performance.

Funcional

O G3 não é apenas mais barato, mas também mais funcional. Com tela plana, essa tela demanda menos espaço que um imenso G9 ou um G7. Ela ainda conta com ajuste de altura, o que permite ajustar a melhor posição para se obter conforto visual e também permite rotacionar em 90 graus. Recursos que colocam esse monitor também no radar do consumidor que busca um monitor de maior qualidade para o trabalho.

Com frequência de 140Hz e tempo de resposta de 1,4 milissegundo, o G3 garante comportamento superior. “Esse monitor atende ao gamer que não tem uma máquina capaz de explorar todos os recursos de um G7 e G9. Pois sabemos que para obter o máximo dos monitores é preciso uma máquina robusta, com uma placa de vídeo de ponta. O que é muito caro. Assim, esse monitor entrega performance ao cliente que está iniciando a montagem de seu PC gamer e que lhe garante competitividade, uma vez que o tempo de resposta de 1,4 milissegundo segue o padrão na maioria das competições”, explica a gerente de Produtos da Divisão de Monitores da Samsung Brasil, Marina Correia.

De fato, conectar um G7, ou um G9, num PC sem uma placa de vídeo de alta poderosa, como uma NVidia 3060 (que custa mais de R$ 5 mil), a tela não exibirá tudo que ela seria capaz. Assim, o G3 se mostra mais racional, pois o consumidor não vai pagar pelo que não irá conseguir usufruir.

Assim o G3 surge como uma opção que pode dar mais competitividade ao gamer que tem um equipamento mais modesto. Com o dobro da taxa de atualização e três vezes mais taxa de resposta que uma tela convencional, agora é possível deixar de ser apenas um espectador para ser protagonista na jogatina.