Se, de um lado, ainda existem os que se esforçam em “fazer justiça com as próprias mãos”, mesmo que virtualmente, por meio da "cultura do cancelamento, de outro, há um grupo que escolheu o caminho contrário: cancelar o cancelamento. No rol de quem decidiu respeitar as diferenças – e isso inclui ser complacente com as falhas humanas – e não massacrá-las simplesmente, há de pessoas comuns a famosos, que usam a própria voz para arrefecer o ódio e propagar o assunto.

Caso do youtuber Spartakus Santiago. Publicitário, palestrante e apresentador no GNT, gravou um vídeo, no ano passado, falando sobre o quão graves podem ser os reflexos de um linchamento virtual. “A violência pode ser digital, mas as consequências são reais, como demissões, traumas emocionais profundos e suicídio”, colocou, lembrando o caso da influenciadora Alinne Araújo, que suicidou-se após receber uma avalanche de críticas por ter “casado consigo mesma”. 

Abandonada pelo noivo dias antes da data prevista para o casamento, resolveu manter a cerimônia mesmo sem par, mas foi execrada pelos haters e acusada de uma jogada de marketing. “Agora vocês estão querendo mandar no jeito que vou sentir minhas coisas também?”, desabafou, na época. A moça, de 24 anos, teve a história repercutida exaustivamente em redes sociais e portais de notícias.

Qualificação do discurso

Jornalista pós-doutor em Ciência da Informação e pesquisador do grupo Estudos em Práticas Informacionais e Cultura (Epic) da UFMG, Ruleandson do Carmo Cruz defende mais comprometimento das pessoas com o próprio discurso e uma maior identificação com o outro.

“Determinadas falas e comportamentos são imperdoáveis e devem realmente ser tratados pela legislação por serem crimes. Mas se formos cancelar todo mundo que cometer um deslize, não vai sobrar ninguém. Estamos cobrando a perfeição. Quando um artista tem um show cancelado, muitos perdem. Quando o dono de uma empresa diz algo e acaba boicotado, é preciso lembrar que ele não é a empresa toda. É preciso rever quando isso vira caça às bruxas”, diz.

Leia mais:

Tribunal virtual: 'cultura do cancelamento' cresce na pandemia como boicote na web

Confira, na galeria abaixo, alguns famosos que foram "cancelados" na internet do ano passado para cá: