Escolhas comuns entre quem deseja customizar um ambiente, papéis de parede e adesivos vêm dividindo espaço com pinturas personalizadas. Criadas por profissionais especializados em tirar do campo das ideias os desejos de cada cliente, podem ser estampadas em diferentes superfícies e dar vida a temas que vão do ultrarrealismo ao mundo do faz de conta.

Ilustradora e aquarelista por trás do Abê Studio Criativo, Luísa Simão é uma das profissionais mais requisitadas em Belo Horizonte quando o assunto são artes infantis. Há cinco anos, definiu o nicho em que iria atuar e, desde então, é presença certa em quartinhos de crianças e recém-nascidos, onde não faltam charme e personalidade. 

“Sempre que as coisas ficam comuns, as pessoas buscam soluções. A pintura de parede vem para inovar a ideia do papel, pois tem o tom da exclusividade, de ser pensada para aquele ambiente. Estudo de mobiliário, cor, projeto, tudo é considerado. Procuro aprofundar ao máximo em todos esses detalhes para ter um resultado o mais harmônico possível”, explica a artista. 

Não é parede, é tela Luísa Simão

ABÊ STUDIO CRIATIVO - Desenhos de Luísa Simão viraram objetos de desejo das grávidas de Belo Horizonte. Artes são desenvolvidas com base no estilo do quartinho, no mobiliário e nos desejos para o novo morador. Depois de aprovados, trabalhos são executados diretamente sobre a parede, sem rascunho. Estampas também não levam verniz nem outro acabamento - uma das marcas-registradas do trabalho dela

Aquarela

Marca registrada dela, o estilo aquarelado é obtido com uso de tinta acrílica que tem ponto de diluição específico. Depois de elaborada e aprovada, a arte é pintada diretamente sobre a parede, sem rascunho.

“Rascunhar a lápis suja demais, não gosto do resultado. Prefiro à mão livre, inclusive é essa uma das marcas do meu trabalho, a possibilidade de traços mais soltos”, justifica. Os trabalhos de Luísa, que podem levar um dia inteiro para serem concluídos, chegam a custar R$ 8 mil, dependendo da complexidade e do tamanho da arte. 

Os muralistas Alisson Prazeres e Fábio Vilarino também apostam na exclusividade como diferencial para as artes que desenvolvem em paredes, sejam elas residenciais ou comerciais – incluindo lojas e até restaurantes. “Têm cores, brilho e textura que os papeis dificilmente alcançam. Além disso, podem ser desenvolvidas sobre diferentes acabamentos, liso, chapiscado ou nervurado”, explica Alisson. 

As artes desenvolvidas por eles só saem realmente do papel após desenvolvido um layout, manual ou digital, que é aprovado pelo cliente. Depois disso, são feitos um rascunho e uma simulação digital da parede que será estampada para, então, ser iniciado o desenho ou pintura. 

Não é parede é tela Alisson Prazeres e Fábio Vilarino

ALISSON PRAZERES E FÁBIO VILARINO - Os muralistas de BH formaram uma dupla há cerca de 3 anos. Desde então, vêm elaborando ilustrações com temas variados, como botânica, formas e padrões geométricos, figuras arquitetônicas e animais. É possível ter uma estampa dos dois em qualquer tipo de parede, tanto dentro quanto fora de casa, já que eles tilizam técnicas e aplicações  para cada superfície. Cuidados com a limpeza do local, com base no tipo de tinta e nas condições a que a arte ficará exposta, são essenciais para prolongar o tempo de vida do trabalho. Vernizes específicos podem ser necessários para área sujeitas a luz solar e chuva

“Não existe ‘contra-indicação’ (de superfície), o que existem são técnicas e aplicações adequadas para cada ambiente”, reforça Fábio, muralista e estudante de arquitetura.

Além disso:

Muita gente pode considerar impensável encomendar uma arte exclusiva, seja para estampar um pedacinho de parede, seja para embelezar uma superfície inteira, temendo o investimento a ser feito. Mas, embora sejam artes elaboradas sob medida, pensadas para cada cliente, as pinturas podem, em alguns casos, custar até menos que a instalação de papeis de parede.

Não é parede é tela Caroline Perillo

CAROLINE PERILLO - A designer de superfície tem dois estilos predominantes de trabalho: o aquarelado, que inclui estampas botânicas e infantis, e os inspirados em gravuras (projetos à esquerda e à direita) – elaboradas com traços pretos e dourados, principalmente, e que abarcam estampas mais clássicas, com arabescos e florais. Para dar preço aos trabalhos, considera tamanho e complexidade da arte, além do tempo previsto para executá-la. Grande parte das encomendas são feitas para ambientes residenciais – salas, espaços gourmet, áreas de convivência, salões de festa e até banheiros. A demanda para quartos, segundo ela, vem crescendo

“O orçamento (de uma pintura) baseia-se no tamanho, na complexidade e no tempo de produção. Tudo é uma equação. Cheguei a um metro quadrado que vai de R$ 260 a R$ 400, mais ou menos, a partir de quanto parte a mesma medida de alguns papéis em lojas especializadas”, compara a designer Caroline Perillo, especialista em estampar superfícies.

Ela acrescenta que clientes que não queiram aplicar os desenhos diretamente sobre a parede podem encomendá-los em chapas de MDF – espécie de mural para ser afixado no local desejado. Dentre as vantagens estão estender a vida útil da arte, que pode ser transportada ou colocada em diferentes cômodos da casa. 

A estratégia também pode ser empregada por quem deseja efeitos específicos em áreas onde não se pode tê-los, como no caso de um desenho aquarelado sobre superfícies com azulejo e cerâmica. 

Leia mais:

Casas com história: escolher o que mudar e restaurar ajuda a preservar as memórias do imóvel

Geometria criativa: alternativa para decorar as paredes, pinturas transformam a casa toda

Parece, mas não é! Materiais 'fake' substituem com louvor originais refinados e caros

Confira galeria de imagens com outros trabalhos criados por Luísa Simão, Fábio Prazeres e Fábio Vilarino e Caroline Perillo: