Vestidos de gala glamourosos, de alta-costura, com tules em ombros empinados e saias vaporosas, fendas ousadas, babados em camadas e uma cartela de cores sortida, passeando entre o amarelo, o vermelho, o pink e os tons pastel e os metalizados. Assim foi a noite desse domingo no red carpet do Oscar 2019

Ninguém apostou no minimalismo. O momento não é para modéstia, e a moda caminha para a retomada de uma elegância clássica. Algumas, no entanto, perseguiram uma estética aliada à modernidade.

Entre as mais chiques estavam Charlize Theron, sempre matadora, dessa vez com um vestido cinza azulado com ombros marcados da Dior, e Brie Larson, vencedora do Oscar de melhor atriz e nome disputado entre as marcas de luxo hoje em dia. Nesse domingo, 24, ela foi de Céline.

Destaque também para Amy Adams, de silhueta sereia meio vintage, e Emma Stone, num longo com brocados geométricos em marrom, da Louis Vuitton. Ambas, alias, estão sempre na linha das mais bem vestidas. A veterana Glenn Close, com cabelos curtos e brancos e um longo dourado, com capa longa e cauda, de Carolina Herrera também brilhou.

No tapete vermelho, porém, nenhuma mulher chamou mais atenção do que Lady Gaga. Ela, na contracorrente, foi de tomara-que-caia preto com luvas longas, tudo Alexander McQueen. O coque elegante nos cabelos tingidos de branco arrematava o visual. Nas redes sociais, só perdeu em likes e engajamento para, veja a ironia, um homem de vestido: Billy Porter. Na era da moda sem gênero, nada mais apropriado.