Atlético e Cruzeiro, Palmeiras e Corinthians, Flamengo e Fluminense, Boca e River, “FIFA” e “PES”. O futebol sempre foi um duelo interminável entre clubes, mas nos últimos anos a rivalidade bipolar saiu do plano real e invadiu os videogames, com as franquias “FIFA Soccer” e “Pro Evolution Soccer”, que todos os anos travam um clássico em nome da preferência dos jogadores. Este ano não poderia ser diferente.

Em 10 de setembro, a Konami publicou a mais recente edição do próprio game de futebol, “PES 2020”, que tem como “time do coração” a Juventus de Cristiano Ronaldo. Já “FIFA 20”, chegou há pouco, no dia 24. Cada um tem os próprios clubes, ligas, jogabilidade e peculiaridades que geram enfurecidos debates em redes sociais.

Times
O novo “PES” estreia com um pacote de clubes que inclui Série A e Série B do Campeonato Brasileiro, além de argentinos como Boca Juniors, River Plate, o chileno Colo-Colo e diversos europeus, com a Juventus na crista da onda, mas boa parte disputando os campeonatos espanhol, inglês, alemão, francês e italiano. 

O legal é que haverá novamente estádios brasileiros, apesar de as faixas das torcidas e os cânticos serem totalmente desconexos com a realidade.

Já “FIFA” tem como destaque a Champions League. Entre os times nacionais, o game terá versões genéricas de jogadores e atletas. 

Gameplay
Testamos as versões demo dos dois games. Não seria justo comparar a versão final de “PES” com a demonstração de “FIFA”. E o que pudemos perceber é que o game da EA Sports tem feito um esforço para se tornar mais amigável e o título da Konami mostra uma evolução de gameplay, bem mais desafiador que a última edição.

“FIFA 20” segue o habitual estilo de simulação. É um game mais burocrático, que exige que o jogador tenha timing certo de cada jogada para ser efetivo. Apertar o botão de toque rasteiro na crença de que o jogador irá lançar a bola em direção ao colega é um doce engano. Se não estiver direcionado para o companheiro, seu time irá perder a bola.

Cobrar uma falta demanda uma combinação de botões e direcional esquerdo (para dar efeito). A vantagem é que é possível habilitar o “técnico virtual” que indica quais botões apertar e quando. Outro facilitador é o treino de jogadas, antes de cada partida. Nele é possível aprender as jogadas e não deixar para descobrir quando o seu time estiver levando uma goleada.

Já em “PES 2020” tudo é mais simples: se é você a tocar a bola, você pressiona o botão que ela é encaminhada para seu companheiro. O passe ficou mais realista, não é necessário estar mirando no colega, mas é preciso que os dois estejam numa condição factível para o passe. Cobrar um falta ou escanteio é mais simples, basta equalizar força do chute e efeito. 

Visual
Em termos gráficos, o título da Konami tem cores mais vivas que o da EA, o que pode demandar um ajuste do televisor. A reprodução dos atletas é bem acabada tanto para um quanto para outro. Estrelas como Salah e Neymar são perfeitas, em “FIFA”, assim como CR7 e Carlitos Teves, no “PES”. 

Ambos têm versões para PC, PS4 e Xbox One, com preços de R$ 238 (“FIFA 20”) e R$ 249 (“PES 2020”). 

Agora resta a cada um escolher o que mais lhe agrada e partir para o abraço!