Tradicionalmente reconhecida pelas lavouras de café, Minas está de olho, agora, no cultivo de flores. Segundo maior produtor do país, perdendo apenas para São Paulo, o Estado ganhará no primeiro semestre do ano que vem um diagnóstico mais profundo sobre a produção. O objetivo do levantamento é estruturar melhor e explorar todo o potencial da cadeia.

Superintendente de Desenvolvimento Agropecuário da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas (Seapa), Carlos Eduardo Oliveira Bovo diz que o mapeamento dará mais condições ao Estado de propor políticas públicas que fortaleçam o trabalho dos floricultores mineiros. 

Um dos primeiros passos da reestruturação do segmento é a possibilidade de atuação no Pavilhão Mercado Livre do Produtor da Ceasa, em Contagem, na Grande BH, a partir de janeiro. A venda de flores e plantas no local acontecerá às terças, quintas e sábados e estará condicionada a um regulamento definido pela central de abastecimento.
A expectativa do superintendente da Seapa é a de que pequenos agricultores do Estado incorporem a floricultura nas atividades já desenvolvidas. 

Andradas, no Sul de Minas, é, dentre 25 produtores de flores de corte, o município mais representativo; ao todo, 29 variedades são cultivadas nesse grupo. Também estão mapeados produtores de folhagens e arbustos, flores envasadas, forração e palmeiras

“É uma cadeia na qual temos muito interesse, pois trata-se de um mercado que cresce bastante no mundo inteiro e que tem imenso potencial em Minas. A abertura da Ceasa é uma iniciativa que caminha em paralelo ao diagnóstico preparado e que dará condições para que a cadeia seja mais bem visualizada e, assim, se fortaleça. Embora seja um segmento promissor, digamos que ainda estamos engatinhando em relação a São Paulo, por exemplo, que responde pela maior produção do país”, afirma Bovo. 

Organização

Coordenador técnico estadual de Planejamento da Emater-MG, Edson Logato explica que o controle de safra da floricultura mineira é realizado, há cerca de três anos, pelos municípios produtores, do qual depende quase que inteiramente. A cidade produtora é responsável por alimentar o sistema on-line de maneira independente.

“Cada uma lança a respectiva produção num sistema usado por todos, mas não há uma organização como em Holambra, onde a cadeia já é bem consolidada e fortalecida”, acrescenta.

Ele explica que a floricultura mineira é dividida em seis subgrupos: flores envasadas, flores de corte (ramalhetes), gramas, mudas de folhagens, arbustos e outras, mudas de forração e mudas de palmeira. Dentre os maiores produtores do estado de flores de corte estão Andradas (Sul de Minas) e Barbacena (Campo das Vertentes) – esta última conhecida como Cidade das Rosas. 

Destacam-se no grupo produtor de flores envasadas os municípios de Patos de Minas (Triângulo), Itapeva (Sul) e Guidoval (Zona da Mata).

Projeto em São João del-Rei estimula cultivo de comestíveis 

Ainda pouco utilizadas nas cozinhas brasileiras, as flores comestíveis também vêm ganhando espaço em Minas graças a um projeto desenvolvido na região de São João del-Rei, no Campo das Vertentes. Pesquisadores da Epamig mantêm um jardim com variedades como capuchinha, amor-perfeito e calêndula e incentivam o cultivo de exemplares sem aditivos químicos para consumo humano. 

Realizada no município de Holambra, região de Campinas, interior de São Paulo, a Expoflora, maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina, movimentou R$ 24 milhões somente neste ano; cerca de 300 mil pessoas participaram do evento

O objetivo da pesquisa, financiada pela Fapemig, é, principalmente, estimular pequenos horticultores a engordarem a renda incluindo as variedades dentre as espécies já cultivadas. “Se aumentamos a oferta, conquistamos maior demanda”, reforça a pesquisadora Izabel Cristina dos Santos, que integra o projeto no Campo Experimental Risoleta Neves.

Para que possam ser consumidas, as espécies precisam ser livres de agrotóxicos e fertilizantes químicos – cultivadas em sistemas orgânicos ou agroecológicos, portanto. 

Floricultura em Minas flores comestíveis capuchinhaCapuchinha é uma das variedades cultivas na fazenda experimental da região de São João del-Rei

Sem aditivos químicos

ncentivar a produção de flores de corte em sistemas “limpos” é também objeto de estudo da pesquisadora Simone Novaes Reis – coordenadora do Programa Estadual de Pesquisas em Floricultura da Epamig. Segundo ela, tão importante quanto garantir segurança alimentar é conscientizar os produtores sobre os cuidados com a própria saúde. 

“São culturas muito exigentes em nutrientes e, por isso, alguns produtores abusam de produtos químicos. Se conseguirmos mostrar que é possível reduzir esse uso por meio do controle biológico de pragas e de adubos orgânicos, beneficiaremos produtor, meio ambiente e consumidor final”, diz.

Floricultura em Minas flores comestíveis amor-perfeito

Pesquisadores orientam sobre partes das plantas que podem ser consumidas; na foto, amor-perfeito 

Leia mais:

Comida que vem do jardim: com toque de chef, Pancs viram estrela de festival gastronômico

Pequi para todo mundo! Receitas com fruto do Cerrado fazem bem à saúde e conquistam fãs