Quando uma marca atinge um nível elevado de tecnologia, ela precisa buscar outros diferenciais que vão além das propriedades técnicas de seu produto. É o que Rolls-Royce, Bentley e Bugatti fazem. Elas vendem exclusividade. Mas como imprimir esse conceito num aparelho trivial como um televisor? A resposta da Samsung está em sua linha Lifestyle, em que a The Serif é a joia da coroa.

O aparelho chega para trazer, além de tecnologia 4k, conectividade, funções inteligentes, taxa de quadros de 120Hz e tudo mais que se espera de uma televisão contemporânea, uma revolução em design.

Serif?

Para quem não sabe, serifa é um estilo de tipologia, semelhante a esta que o amigo lê nesta página. Ela tem a base das letras alongadas para direcionar a leitura. E a The Serif repete essa proposta com as extremidades alongadas. Vista de perfil, ela forma um “I” maiúsculo. O estilo agradou os conhecedores de design, tanto que o aparelho faturou prêmios internacionais como o IF (World Design Guide) e o Good Design Award.[/TEXTO]

Segundo a marca, essa TV oferece a mesma performance visual e sonora, assim como hardware, de uma QLED. No entanto, agrega um acabamento sofisticado, justamente para atender um público que busca itens de decoração. “Ela foi pensada para aquele consumidor que possui uma cadeira assinada (por um designer) e valoriza peças de arte”, explica a gerente de produto do segmento de televisores da Samsung, Thais Meglior. 

O aparelho vem acompanhado de uma base tipo cavalete. A ideia é que ela se posicione como uma peça de destaque e, principalmente, longe da parede. Inclusive esse televisor não pode ser fixado na parede. No máximo pode ficar sobre um rack.

E nem é prudente tentar chumbar a TV na parede. Com 55 polegadas, esse televisor teve a base reforçada com lastro para garantir que ela não tombe. Afinal, ela não conta com aqueles pezinhos. Assim, são 28 quilos, dez a mais que uma versão convencional com mesmo diâmetro de tela. O melhor é deixar ela quietinha no cavalete ou sobre um móvel.

Seu preço sugerido é de R$ 12,5 mil. Bem mais cara que uma Crystal ou uma QLED 4K. Mas é aquela história: tem que ter um ambiente bonito, senão, não faz sentido