Em tempos de isolamento social, há de se concordar que as pessoas estão mais sensíveis, com o desejo de estabelecerem relações com o outro à flor da pele. Resultado do confinamento forçado - recomendado pelas autoridades médicas mundiais como forma de frear a disseminação do coronavírus -, que nos levou a pensar e criar novas formas de conexão, com a gente mesmo e com o mundo. 

Foi diante desta nova realidade que um site, escrito em inglês, decidiu possibilitar um contato genuíno, respeitoso e sobretudo empático entre estranhos. Isso mesmo! Human Online tem como proposta colocar duas pessoas de quaisquer cantos do planeta, frente a frente, por meio da câmera do computador ou do celular, durante um único minuto.

Dentre as regras estabelecidas pela plataforma, que exige apenas um cadastro rápido com os dados do Facebook ou com o e-mail, está fazer silêncio absoluto enquanto é concretizada a experiência. A ideia é que a comunicação aconteça simplesmente pelo olhar, uma mudança de foco do pensar para o sentir.

Site Human Online

Objetivo da plataforma é promover uma conexão sincera entre duas pessoas

"Meu desejo mais profundo por esse espaço é que alguém simplesmente esteja lá comigo. Porém, eu estou neste momento, e como eles estão, estamos aqui um com o outro de uma maneira essencial", resume o co-fundador do site, Nicola, como se apresenta na web.

Experiências

Compartilhado - e experimentado - por brasileiros e estrangeiros desde o fim da última semana, quando veio à tona ao ser compartilhado nas redes sociais, o site permite a criação de conexões reais e sinceras entre quem sequer se conhece, mas possivelmente compartilha das mesmas aflições.

"Human Online é um espaço onde você pode passar o tempo sendo você mesmo, sem nada a alcançar. Por meio de nossas experiências on-line, podemos nos reconectar à simples alegria de ser e compartilhar nossa presença com outras pessoas", diz a plataforma.

Leia mais:

Confinamento é desafio para casais, que têm diferenças realçadas pela convivência 24 horas

Tempo de repensar: isolamento por coronavírus motivou reflexão coletiva sobre vida e prioridades