Eleito termo do ano em 2019, tendo alcançado o ápice do interesse das buscas na internet em julho deste ano, a “cultura do cancelamento” sempre existiu, mas nunca esteve tão “na moda”. 

Municiado por um senso de justiça coletivo e encorajado pelo anonimato proporcionado pela web, o tribunal virtual condena da atriz que se veste de índia no Carnaval à influenciadora que quebra a quarentena com uma festa privê. 

Basta um deslize qualquer, um comportamento tido como inadequado ou mesmo um pensamento diferente daquele pregado pela “maioria” para que seja iniciado o linchamento virtual. Espécie de caça às bruxas moderna – a exemplo da perseguição sofrida por mulheres na Idade Média ou da forma pejorativa como divorciadas e mães solteiras eram tratadas em décadas não muito distantes. 

“Desde que os primeiros grupos humanos apareceram, surgiu também a cultura do cancelamento. Esse tipo de atitude ainda é um dos fenômenos que ocorrem nas relações grupais. Quanto mais as pessoas pensarem de maneira síncrona, mais este será um grupo coeso”, pontua a psicóloga Sylvia Flores. 

Leia mais:

Movimento contra 'massacre virtual' ganha força ao propagar empatia e respeito às diferenças

Efeito manada

A necessidade de coesão a que ela se refere, na atualidade, dá origem ao chamado efeito manada – um dos pilares do julgamento virtual que implica no cancelamento, cuja força está justamente no massacre coletivo de um indivíduo ou até de uma empresa. Recentemente, a influenciadora Gabriela Pugliese perdeu mais de 150 mil dos 4,5 milhões de seguidores que contabilizava no Instagram, além de importantes contratos, graças a uma festa feita em plena pandemia e divulgada pelos stories da rede social.

Doutor em neurociência cognitiva, o psicólogo Yuri Busin diz que esse tipo de conduta reflete uma necessidade de fazer justiça com as próprias mãos, de julgar e punir o que parece errado ou inadequado para uma ou mais pessoas. O aprendizado, por sua vez, segundo ele, nem sempre se materializa da forma esperada.

“A gente está sempre julgando e, obviamente, cada um vai ter seu crivo, embora existam outros generalizados. É possível que a pessoa reflita, mude, se abra para um debate, claro. Mas o cancelamento não essencialmente resultará nisso. Não é com punição que a gente muda ou ensina as pessoas”, conclui.

Confira, na galeria abaixo, alguns famosos que foram "cancelados" na internet do ano passado para cá: