Lindbergh defende boicote à eleição em 2018 caso Lula se torne inelegível

Estadão Conteúdo
13/07/2017 às 21:15.
Atualizado em 15/11/2021 às 09:33
 (Rafael Wallace / Alerj)

(Rafael Wallace / Alerj)

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), defendeu nesta quinta-feira, 13, que o partido não lance candidatura a presidente, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impedido de participar das eleições em 2018. "Vamos dizer que não reconhecemos essa eleição presidencial, que esse jogo é uma fraude, uma farsa", afirmou Lindbergh, na saída do diretório nacional da legenda, após participar do ato em defesa de Lula, que foi condenado, em Primeira Instância, a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com o líder do PT no Senado, a sigla pode eleger uma bancada parlamentar forte reforçando o discurso do golpe e denunciando que o País não vive mais numa normalidade democrática. "O impeachment foi uma irresponsabilidade. Essa historia do Lula é uma aposta dobrada no mesmo caminho. Vamos legitimar uma farsa?", questionou.

Lindbergh notou que esse não é um consenso na agremiação, mas apenas uma discussão. Ex-chefe da Casa Civil no governo da ex-presidente Dilma Rousseff e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner desconversou sobre a hipótese do boicote. "Eu acho que tem que boicotar um eventual colégio eleitoral na hipótese do Temer sair. Quando se fala em fora Temer, prefiro falar eleições já."

Leia mais:
Juiz da 'Lava Jato' reafirma que pode ter errado ao abrir grampos de Lula
Julgamento de Lula em segunda instância pode demorar cerca de um ano
Após ser condenado por Moro, Lula reafirma que está disposto a ser candidato

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por