Menos de dois dias antes do primeiro protesto contra o governo federal com apoio declarado do PSDB, o senador e ex-governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), engrossou o tom contra o PT e afirmou que é uma questão de tempo para o correligionário e também senador Aécio Neves chegar à Presidência da República. O mandatário mineiro entre 2010 e 2014, no entanto, evitou se posicionar sobre um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).
 
“(Aécio Neves é o) Futuro presidente do Brasil, mais cedo ou mais tarde. Isso não é dúvida, é questão de timing, como se diz. É evidente”, disse o senador tucano, que não poupou ataques ao governo federal. “(Passamos por uma) Crise ética gravíssima. Crise política mais do que grave pela absoluta, absoluta, total falta de liderança do atual governo federal. Isso é nítido”, afirmou durante campanha para aumentar o número de filiados do PSDB em BH e Minas Gerais.
 
Sobre um eventual apoio ao impeachment de Dilma, o ex-governador se esquivou. “É uma questão de ordem muito mais jurídica, das instituições funcionando. E cabe aos órgãos que são incumbidos do controle e da Justiça os passos necessários à apuração do que eventualmente ocorreu”, afirmou.
 
Campanha nacional
 
Enquanto Anastasia promovia a campanha de filiação tucana na capital mineira, Aécio realizava o lançamento do mesmo movimento em âmbito nacional, em Maceió (AL). O candidato a presidência derrotado em 2014 manteve o tom: ataques ao PT e cautela sobre impeachment.
 
“O PSDB não escolhe desfechos para a crise e não faz prejulgamentos”, afirmou o presidente nacional da sigla, ao ser indagado sobre a suspensão temporária, pelo TSE, do julgamento das contas de campanha do PT.
 
Já as críticas ao governo federal foram direcionadas especialmente ao presidente da CUT, Wagner Freitas, que falou em seu discurso na última quinta em “ir para as ruas entrincheirados de armas na mão”. “Quero dizer ao presidente da CUT que nós não vamos nos entrincheirar. Vamos levar para as ruas a Constituição, que é nossa única arma”, disse Aécio.
 
Mistério
 
Aécio e Anastasia também tiveram discursos alinhados sobre a participação ao protesto de amanhã. Ambos declararam apoio ao movimento, convocaram a população para ir às ruas, mas não garantiram presença nos atos.
 
“A minha vontade pessoal é essa (de ir). Pretendo sim, mas vou avaliar até sábado (hoje), aonde vou e se vou”, disse Aécio. “A princípio sim (vou aos protestos), mas vamos aguardar ainda os fatos, como vão estar nossos companheiros”, disse Anastasia.
 
Guerra dos filiados
 
Os tucanos decidiram lançar campanha de filiação em todo o Brasil às vésperas de protestos contra o governo. A ideia é criar um site para facilitar o registro de novos interessados. Em Minas, há uma preocupação a mais após a derrota em 2014. Dos novos 21 mil filiados em 2015 no PSDB, menos de 300 vieram de Minas. Em BH, o partido enfrenta quedas no número desde 2012. Já o PT mineiro afirma promover atividades partidárias para angariar novos filiados. Atualmente, 2,1 mil pedidos são analisados e outros 9,6 mil estão sendo formados para ter o registro de filiação aprovada.
 
PSDB mineiro promete barrar coligações com PT em 2016
 
Durante o lançamento de campanha de filiação, o PSDB de Minas Gerais anunciou que impedirá coligações com o PT em todos os 853 municípios mineiros. A promessa é publicar uma resolução para regulamentar a norma para as eleições municipais de 2016.
 
“Defendo que haja uma resolução deixando claro que o PSDB, nos municípios, está autorizado a fazer as alianças que entender apropriadas para aquele município, exceto com o PT. Não temos postura radical, intransigente, preconceituosa. Sempre reconhecemos que há pessoas de valor no partido, mas o PT, que continua considerando Zé Dirceu um herói, bandidos na cadeia heróis, não serve para ser aliado em nenhum cidade”, afirmou o presidente estadual tucano, Domingos Sávio.
 
Segundo o deputado federal, uma exceção precisaria passar pelo crivo da executiva, apenas “para deixar margem em respeito a alguns petistas”.
 
Bancada reforçada
 
Para promover a campanha de filiação em Minas Gerais, o PSDB oficializou ontem o reforço de três vereadores de Belo Horizonte: Bim da Ambulância (ex-PTN), Juninho Los Hermanos (antigo PRB) e Pablito (já foi filiado ao PSDB, mas estava no PV). “Não estamos compactuando com o que está acontecendo no Brasil e pretendemos fazer oposição clara desde a Câmara dos Vereadores até o Congresso Nacional”, disse Pablito.