Os autores da maior chacina da história de São Paulo escolheram para agir locais que correspondiam a áreas de patrulhamento do cabo Avenilson Pereira de Oliveira, de 42 anos. Os bandidos também procuraram vítimas com antecedentes criminais e estariam usando coturnos. Seis das vítimas tinham passagem pela polícia. "Estamos analisando se há relação disso com os fatos", disse o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes.

Para ele, no entanto, perguntar sobre o passado criminal e usar coturno é "típico de quem quer fingir que é um policial". Moraes admitiu que entre as principais linhas de investigação está uma represália em função do assassinato do cabo da PM em Osasco. O Estado foi aos bairros onde ocorreram os ataques. Moradores e comerciantes que preferiram não se identificar, por medo de represálias, contaram que o "cabo Pereira" era conhecido na região.

Chacina
 
Dezoito pessoas morreram e sete ficaram feridas na noite de quinta-feira nas cidades de Osasco e Barueri. Os crimes ocorreram das 21h às 23 h. A polícia suspeita de que as mortes tenham ocorrido em reação ao latrocínio de um policial militar em Osasco e um guarda civil metropolitano em Barueri.
 
Testemunhas relataram que, antes de atirar, os criminosos teriam questionado sobre quem tinha passagem policial. O secretário de Segurança Pública disse que perguntar sobre o passado criminal e usar coturno é "típico de quem quer fingir que é um policial".
 
Áudio
 
Em áudio de autoria desconhecida, um homem, que se identifica como integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC), avisa que haverá toque de recolher em Osasco, na noite desta sexta-feira, 14. A informação circula pelo WhatsApp entre moradores do Jardim Mutinga, região do bar em que dez pessoas foram baleadas.