Os produtores rurais mineiros devem ficar atentos. Secretária estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Maria Valentini alerta que “é preocupante a perspectiva do preço dos insumos nos próximos meses, principalmente do milho, do sorgo e soja, que estão em valores altíssimos”.

O custo alto impacta diretamente na alimentação do gado, seja ele de corte ou para a pecuária leiteira. No caso do gado de corte, a reajuste dos insumos pode refletir ainda mais no preço para o consumidor interno, que já tirou essa proteína do cardápio. Para a pecuária leiteira, o problema é aumentar ainda mais o custo para o produtor.        

Em relação à safra de café que sofreu com a seca no ano passado, principalmente, nas regiões Sul e Sudoeste de Minas Gerais, a secretária informou que a colheita de 2021 vai ser menor do que o esperado. Em 2020 foram colhidas 34 milhões de sacas de café. Neste ano, a previsão é de 20,5 milhões de sacas.

Segundo Ana Maria Valentini, as ações de apoio aos produtores de café que sofrem perdas significativas da produção são desenvolvidas pelo Ministério da Agricultura (Mapa). “Com a pandemia não foi possível conseguir recursos para socorrer os produtores, Minas Gerais conseguiu recursos do Funcafé para serem aplicadoa nas cooperativas na compra de insumos”, conta a secretária.

Além disso, o Estado vai lançar um programa de incentivo de contratação de seguro para ajudar os produtores a enfrentarem situações como essa. A iniciativa deve ser anunciada em breve.

A titular da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais falou ainda sobre a situação de outras culturas no Estado, agricultura familiar e ações que estão sendo desenvolvidas pela pasta.  

Acompanhe a entrevista na íntegra.