Os avanços proporcionados pela convergência de tecnologias que vêm modificando o mercado de trabalho podem criar, até 2020, um contingente de cinco milhões de desempregados em todo o mundo.

A constatação está no relatório do Fórum Econômico Mundial, realizado na última semana em Davos, na Suíça. A chamada “quarta revolução industrial”, que para especialistas já começou, será marcada pela conexão de avanços que estão na fronteira da ciência, como a nano, bio e neuro-tecnologias. Com isso, profissões tradicionais passarão a ser cada vez mais desempenhadas por robôs ou computadores.

E não é preciso ir muito longe para verificar tais mudanças. A função de trocador de ônibus, por exemplo, foi extinta em linhas que atendem à região metropolitana de Belo Horizonte, uma vez que o pagamento das passagens é feito por meio do cartão magnético.

Profissões como caixas de bancos e operador de telemarketing já são desempenhadas, em grande parte, por sistemas informatizados. Nas montadoras de veículos várias etapas da linha de produção já são realizadas por robôs. Serviços de montagem na indústria de eletroeletrônicos seguem o mesmo caminho

Com a popularização da impressão 3D, considerada um ícone da quarta revolução, até mesmo a atividade de um joalheiro poderá ser desenvolvida por uma máquina. A preocupação dos especialistas é o descompasso entre a velocidade com que a tecnologia avança sobre o mercado de trabalho e a capacidade dos países de criar mão de obra qualificada para novas funções.

Se, por um lado, os ganhos de produtividade trazidos pela tecnologia podem melhorar os resultados para as empresas, problemas como a desigualdade social podem ser ainda mais aprofundados. “Essas novas tecnologias serão poupadoras de mão de obra. Com isso, empregos vão deixar de existir. Então, é imprescindível que haja políticas públicas que permitam a qualificação de trabalhadores que se adaptem à esse novo modelo. Se isso for conduzido exclusivamente pelas forças de mercado, podemos esperar acentuação das desigualdades entre países e, sobretudo, dentro de cada país”, explica o economista da Unicamp Paulo José Whitaker Wolf.

Para o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais Fernando Rios Neto, o poder público deve antecipar os impactos causados pela quarta revolução e criar políticas que minimizem os impactos no mercado de trabalho.

“Da mesma forma que preocupações para evitar doenças no campo da saúde pública, deve-se trabalhar na prevenção das perdas de postos de trabalho”, avalia.

 

Transformações

Desde que a invenção da máquina a vapor modificou processos de produção artesanais dando início à primeira revolução industrial, há mais de três séculos, as formas de trabalho em todo mundo vem sendo profundamente alteradas.

Especialistas explicam que, com a invenção da eletricidade na segunda revolução industrial e o surgimento da eletrônica e da robótica na terceira, problemas como a degradação ambiental e a miséria se tornaram comuns.

“O que precisamos fazer é enfrentaras consequências das outras três revoluções industriais. Os países mais ricos precisam trabalhar baseados menos na competição e mais na cooperação. É um desafio muito grande, mas iniciativas que reúnem chefes de bancos e de Estados podem levar a uma maior cooperação. Davos está no topo do mundo e dali devem sair soluções para a vida das pessoas”, afirma Wolf.

Impressora 3D é linha de produção experimental para projetos da indústria

Os empresários Jurandir Lima e Neio Oliveira apostam na tecnologia da impressão 3D e acreditam que a popularização dos aparelhos é uma questão de tempo. Há dois anos no ramo, garantem que a demanda é crescente para os mais diversos setores.

“É cada vez mais comum a impressão de peças industriais em pequena escala, para estudos de viabilidade de projetos na indústria. Além disso, há demandas da área de construção, decoração e hospitalar”, explica Jurandir.

A produção vai de próteses para portadores de necessidades especiais a réplicas de órgãos do corpo humano. “Mas é possível imprimir qualquer coisa. Com um aplicativo simples o usuário pode transformar uma foto em um desenho tridimensional “, destaca.