Um acordo entre o Expominas, a Mineiraria e a Cátedra Unesco de Filosofia da Cultura e das Instituições - esta última vinculada à Universidade de Paris - trará a Belo Horizonte eventos internacionais em 2020. As partes assinaram uma convenção de cooperação para o desenvolvimento da cultura e outras áreas. Na prática, o documento com a chancela da Unesco reforça a importância da capital mineira em eventos estrangeiros. 

Três eventos já estão confirmados para o próximo ano. Um deles será uma feira feira de universidades (públicas ou privadas) que poderão mostrar trabalhos e áreas de excelência tanto para os estudantes quanto professores e outros profissionais. Outro será o Encontro Mundial e Temático de Cátedras de Cultura da Unesco, onde os maiores especialistas e catedráticos entidade estarão presentes.

Também está confirmado o Encontro de Gastronomia, que tende a fazer jus ao selo recém adquirido de Cidade Criativa da Unesco pela Gastronomia para Belo Horizonte. A ideia é reunir, de um lado, chefs e administradores de restaurantes e, de outro, produtores, agricultores familiares e todos os agentes da cadeia produtiva e criativa da gastronomia. Está no escopo também a realização do Encontro do Patrimônio Imaterial Físico, como as florestas, rios e oceanos, bem como as culturas dos povos tradicionais. Trata-se de uma tipologia de patrimônio não existente, mas que pode auxiliar a reflexão sobre a vida do ser humano no futuro.

“De um lado, a Unesco está sempre atenta às boas práticas e aos melhores casos de sucesso no mundo. Ao mesmo tempo, ela apoia as instituições (governamentais ou não) que querem ou já possuem uma estrutura e um caso de excelência. É por meio das parcerias que a Unesco pode se mostrar viva, independente das políticas locais. De outro lado, o Expominas e a Mineiraria, com essa parceria, têm a possibilidade de desenvolver projetos internacionais, de interesse de todo o mundo, obrando pela paz e, ao mesmo tempo, reforçando a cultura, a educação e o turismo em Minas Gerais e no Brasil”, disse Lucas Guimaraens, diretor de Relações Institucionais da empresa mineira e que está em Paris para definir as datas dos eventos e outros detalhes.

Da mesma forma, Jacques Poulain, titular da Cátedra Unesco de Filosofia da Cultura e das Instituições da Universidade de Paris, avalia que a parceria irá “reforçar o diálogo transcultural entre a universidade, os cidadãos e os diferentes povos que vivem no Brasil”. 

Importante destacar que  Unesco, desde sua criação, notadamente nos seus artigos X e XI de sua Carta Magna, prevê parcerias com fundações, organizações e empresas que podem descentralizar e reforçar a paz no mundo, buscando aderir aos princípios da comunidade internacional mundial. As Cátedras Unesco são criadas a fim de desenvolver uma ponte entre o mundo acadêmico e o espaço de mediação de públicos, da cultura e da sociedade. 

Elas têm também como objetivos e funções apoiar projetos que sigam as diretrizes da Direção Geral da Unesco e também obter diálogos para a consecução de recursos financeiros para eventos do porte dos que são desenvolvidos pela própria Unesco. “Neste sentido, todas as áreas já qualificadas na Constituição da Unesco estão previstas para serem desenvolvidas em projetos pelo Expominas e Mineiraria, sempre em consonância com a convenção assinada em 2019”, lembra Guimaraens.

Para o diretor de Relações Institucionais do Expominas, essa é uma continuidade de intercâmbio entre Brasil e França, assim como o começo de troca com a Unesco. “Já tivemos, ao longo dos últimos anos, inúmeros intercâmbios com a França, uma das maiores parceiras de Minas Gerais. Os objetivos elencados na Constituição da Unesco são os da ajuda mútua e os do intercâmbio entre as culturas e as nações. Trata-se, pois, do início de diversos intercâmbios e trocas possíveis”, conclui