O coronel José Luís Silva Silva, que era o adido militar da embaixada do país em Washington, rompeu com Nicolás Maduro e declarou apoio ao presidente da Assembleia Nacional Venezuelana, deputado Juan Guaidó. Para o Ministério da Defesa da Venezuela, o coronel se subordinou aos interesses internacionais e praticou "um ato de traição e covardia com o pátria".

A nota do Ministério da Defesa e o vídeo do coronel foram divulgados nas redes sociais. No vídeo postado no Twitter de Guaidó, dirigindo-se aos venezuelanos e aos integrantes das forças armadas, Silva reconhece o deputado "como único e legítimo" presidente da Venezuela. Afirma ainda que nenhum cidadão e nenhuma instituição da Venezuela estão acima da Constituição.   

Guaidó agradeceu o apoio de Silva: "Damos as boas-vindas a ele e a todos aqueles que sinceramente querem se unir à Constituição e à vontade do povo venezuelano". O deputado se autoproclamou presidente interino venezuelano e prometeu fazer eleições gerais.

Leia mais:
Europeus ameaçam reconhecer Gaidó como presidente se Maduro não convocar eleição
Juan Guaidó sugere anistia a Maduro para restaurar 'ordem democrática'
Brasil rejeita proposta de mediação na crise venezuelana