Mesmo com o crescimento do e-commerce e das grandes redes varejistas, há um comércio tradicional nos bairros de Belo Horizonte que resiste às mudanças no comportamento de consumo. A tecnologia trouxe facilidades, mas muitos consumidores ainda buscam fazer suas compras nos lugares onde encontram afetividade, onde possam se sentir reconhecidos, bem recebidos e queridos. E tudo isso sem deixar a tecnologia e novidades de fora, é claro: além da recepção pelo nome e do cafezinho, agora o Instagram também é vitrine, peças e produtos são oferecidos personalizadamente no WhatsApp do cliente. E o tradicional crediário segue firme para fazer frente ao domínio do cartão de crédito. 

O "dedinho de prosa" e o atendimento personalizado são marcas do comércio de bairro e grandes diferenciais para que muitas pessoas escolham fazer as compras nos tradicionais magazines em vez de ir a grandes centros comerciais ou adquirir produtos pela internet. Essa relação afetiva é o foco da primeira das três reportagens que integram a série "Heróis da Resistência", que vai mostrar ainda como empresários experientes conseguem se manter e se destacar em um mercado competitivo, sem perder a essência, e como esse clássico varejo vem inspirando novos empreendedores.

Esta primeira reportagem da série lança luz sobre as lojas de departamento de bairro, aquelas que antigamente eram chamadas de magazines. Empresas familiares que vendem um pouco de tudo: vestuário, calçados, enxovais, brinquedos, material escolar, aviamentos…

A mais tradicional do ramo é a Casa Pérola, que nasceu no bairro Floresta, na região Leste de Belo Horizonte, e depois ganhou outras lojas em outros quatro endereços. Fundada há 68 anos como um armarinho, com aviamentos e tecidos, cresceu e passou a vender um amplo leque de produtos.

Quem chega ao local encontra vendedoras experientes. Também é possível trocar um "dedo de prosa" com a dona do espaço, dona Lélia Beldran, que aos 90 anos ainda faz questão de trabalhar todos os dias, acompanhando de perto o negócio, da escolha dos produtos ao atendimento. “Eu mesma sempre fui a São Paulo, Recife, Fortaleza e outras cidades para escolher tudo que era vendido na loja. Não deixo nada lá sem o meu olhar. Afinal, eu conheço bem a freguesia, sei o que vai vender mais”, conta dona Lélia.

Para a empresária, um dos segredos do sucesso é o bom relacionamento entre ela e suas funcionárias. “Há muitos anos não sei o que é funcionário que foi pra Justiça. Tenho funcionárias com mais de 40 anos de casa. Converso muito com elas, fico amiga delas. É dessa forma que me sinto bem na loja. Uma delas tirou férias agora e a convidei pra viajar comigo”, conta dona Lélia, que faz questão de transmitir esse sentimento de amizade para a clientela.

Segundo Victor Mota, analista da unidade de Indústria, Comércio e Serviços do Sebrae-MG, o segredo dos magazines está na relação entre o cliente e o vendedor. Até mesmo a disposição dos produtos, que ficam em prateleiras atrás do balcão, é pensada para proporcionar um diálogo. “Você pede para ver uma camisa e a vendedora te apresenta umas 15. Você acaba comprando”, explica.

O especialista aponta que essa interação cria laços que são transformados em vendas constantes. “O relacionamento faz parte da experiência de compra. E evita a fadiga de ter sempre que demonstrar quem você é e o que quer toda vez em que tiver que comprar. Se há uma relação de fidelidade, o vendedor consegue entregar o que o cliente precisa muito mais rapidamente”, completa.

Pertinho do cliente

Mesmo com o grande movimento de pessoas no Centro de Belo Horizonte e dentro dos shoppings, uma pesquisa feita pela Fecomércio-MG indicou que a maioria dos belo-horizontinos prefere comprar perto de casa. De acordo com o levantamento, 87,2% dos compradores da capital recorrem aos estabelecimentos perto de casa. 

Entre os moradores da região de Venda Nova, a Leugim Magazine é uma referência. Localizada na rua Padre Pedro Pinto, a loja tem 37 anos e comercializa roupas, calçados, materiais esportivos e escolares, enxovais e brinquedos. Foi fundada por Paulo Correia como loja de calçados e, aos poucos, foi ampliando a oferta de produtos. Hoje é comandada por três filhas dele - Elizabeth, Maristela e Margareth - e outros sete membros da família também trabalham no espaço, além dos mais de 40 funcionários.

“Somos muito unidos e isso facilita a administração do negócio”, conta Elizabeth Correia. “Já passamos por várias crises, inclusive estamos passando por uma agora. Para superá-las, tem que ter muito pé no chão, muito cuidado nos gastos e know-how para administrar e não perder vendas. Trabalhamos intensamente para não perder o cliente e não nos deixar levar por um discurso de que está tudo ruim”, explica Elizabeth.

Ter um grande leque de produtos permite que os clientes possam visitar a loja durante todo o ano, seja para comprar material escolar ou um presente para o Dia das Mães. Além do atendimento carinhoso com o público de Venda Nova e de cidades vizinhas, como Santa Luzia e Ribeirão das Neves, há também a venda online, pelo site e pelas redes sociais. “Temos um Instagram bem ativo e um crediário próprio. O importante é trabalhar bem a proximidade com o cliente de todas as formas”, completa.

Margareth, Maristela e Elizabeth estão à frente da Leugim Magazine

As irmãs Margareth, Maristela e Elizabeth Correia estão à frente da Leugim Magazine

Moradora do bairro São João Batista, Francislene Petrocchi é cliente do magazine há cerca de dez anos. "Já fiz uns 15 carnês na loja. A gente cria um clima de amizade, minha família toda compra lá. Quando meu pai era vivo e não podia sair de casa, eu levei uns chinelos da loja até ele, para ver qual servia melhor, para depois devolver os que não serviram", conta. 

E se falta tempo até para ir à loja perto de casa, a tecnologia também pode ajudar. "Uma vendedora, a Indara, me manda fotos pelo WhatsApp das novidades e eu já respondo: 'pode separar essa para mim. Ela conhece bem os meus gostos", conta a auxliar de coordenação escolar. Além do atendimento personalizado, Francislene também vê o crediário próprio como um dos motivos da fidelidade. 

Atendimento diferenciado

O cuidado no atendimento também é a prioridade da família Domingos, que está à frente d'A Pioneira há dez anos. A loja de departamento nasceu há 53 anos no Vale do Jatobá, região do Barreiro, que na época ainda não era adensada. Foi criada pelo Seu Barbosa como um armazém e crescendo conforme as casas e os prédios iam sendo construídos no entorno.

Há dez anos, o fundador passou o comércio para as mãos dos irmãos Adamiram e Ronan Domingos, mas o perfil não foi alterado. “O pessoal da região sempre procurou pelo Seu Barbosa, que era muito atencioso com o comércio. Nós demos seguimento, completamos, mas não mudamos nome, marca nem a essência”, explica Adamiram, acrescentando que o crediário próprio continua sendo um diferencial, mesmo com a popularização do cartão de crédito. "Nossos clientes são de várias gerações. Hoje tem até o neto comprando no crediário da avó", completa.

Cafezinho e chá

Fazer o cliente sentir que a loja é uma extensão de sua própria casa é o principal objetivo da Sterluí, que está no Sagrada Família, na região Leste, há 33 anos. O negócio é 100% familiar – os donos e seus familiares fazem todo o trabalho, do controle de estoque ao atendimento e limpeza. Ali, o público encontra roupas, calçados, acessórios, enxovais e brinquedos.

Para atrair as mães, foi criado um cantinho da criança na loja. Ali estão brinquedos antigos e uma TV, para que os pequenos possam se entreter enquanto a mãe faz as suas compras. Além disso, os clientes são recebidos de segunda a sábado com um cafezinho e um chá de erva cidreira.

E se alguém precisa ir a uma festa no sábado e se esqueceu de comprar o presente, nada de correr para o shopping. “Como nós trabalhamos para nós mesmos, decidimos abrir sempre aos sábados, até 20h. É um diferencial, muita gente precisa fazer compras no fim de semana”, explica o empresário Ricardo Souza.

De acordo com Victor Mota, a proximidade entre vendedor e cliente é uma relação que dificilmente é construída em grandes redes de lojas de departamento, drogarias e supermercados, onde há um grande fluxo de clientes.

Longevidade

Segundo o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva, um dos segredos da longevidade de lojas com décadas de história normalmente está em um trabalho bem feito de sucessão. É fundamental, segundo o especialista, que os fundadores deixem bem claro os papéis exercidos por filhos, netos e outros familiares envolvidos, para que as divergências pessoais não interfiram nos rumos profissionais do negócio.

“Quando observamos as empresas tradicionais que deram certo, verificamos que cada familiar ali presente tem um papel bem definido. E quando se escolhe a liderança, essa pessoa deve liderar mesmo. Normalmente, é quem fica com a barriga atrás do balcão, acompanhando as vendas”, explica.

Conheça algumas lojas que se destacam em suas regiões por oferecerem uma grande variedade de produtos. Confira:

A Pioneira (av. Senador Levindo Coelho, 1985, Vale do Jatobá, 3385-6030)

Casa Marlos (rua André Cavalcanti, 352, Gutierrez, 3275-1231)

Casa Perola (rua Itajubá, 461, Floresta, 3444-6722, e mais quatro endereços)

Leugim Magazine (rua Padre Pedro Pinto, 808, Venda Nova, 3408-6000)

Magazine Maná (av. Abílio Machado, 1819, Alípio de Melo, 2552-4338, e rua Úrsula Paulino, 1405 Betânia)

Nilo Moda e Brinquedos (av. Abílio Machado, 2191, Alípio de Melo, 3474-2777)

Sterluí (Av. Petrolina, 426, Sagrada Família, 3481-4681)