Saudades de guiar um GTI, né, minha filha? Pois é, na Europa, a Volkswagen já lançou a nova geração do esportivo e, não bastasse, também apresentou a versão Clubsport. E coloca ainda mais pimenta no hatch alemão.

Na prática, são 55 cv a mais, que elevam a potência do motor 2.0 TSI para 300 cv e 40 mkgf de torque (três quilos a mais que o GTI “básico”). Um valor espetacular para o compacto, que acelera de 0 a 100 km/h em 6,0 segundos. 

Mas não é só potência que o GTI Clubsport ganhou. O esportivo também recebeu melhorias no sistema que gerencia o comportamento dinâmico do carro, que incorporou o bloqueio de diferencial. Isso significa que o sistema gerencia a distribuição e corte de torque para as rodas dianteiras, garantindo melhor comportamento dinâmico. 

Inferno verde

Para afinar o carro, a Volkswagen usou o circuito de Nordschleife, o Anel Norte de Nurburgring. “O carro tem um caráter bastante único. Comparado com o antecessor, é possível dirigir muito mais rápido nas curvas. Isso se deve ao novo eixo cinemática com uma curvatura significativamente aumentada no eixo dianteiro, assistência eletrônica do diferencial e uma configuração de transmissão mais direta”, explica o piloto Benjamin Leuchter, que trabalhou no desenvolvimento do Clubsport, citando a caixa de dupla embreagem DSG de sete marchas.

O que o piloto quis dizer é que o Clubsport tem maior giro das rodas, que permite fazer curvas mais fechadas. Além disso, as relações da transmissão foram ajustadas para aproveitar melhor as faixas de torque do esportivo. Ou seja, ele vira mais e sempre trabalha com a faixa máxima de torque.

Special

Outra novidade eletrônica é que o seletor de comportamento dinâmico passa a incluir o modo Special, além dos conhecidos Eco, Comfort, Individual e Sport. Esse recurso é exclusivo para o Clubsport. Esse modo foi desenvolvido justamente para quem pretende cravar tempo no “Inferno Verde”. Ele tem como base o modo Sport, mas com setup próprio para o controle dinâmico do chassi (DCC), assim como um ajuste de suspensão um pouco mais macia que a Sport.

Pode soar contraditório deixar o carro mais “molenga” no modo mais arisco, mas os engenheiros explicam que o ajuste se faz necessário para absorver as ondulações do traçado de quase 21 quilômetros. A VW afirma que a nova versão foi 13 segundos mais rápida que o GTI “padrão” em Nordschleife.

Isso porque a pista alemã é uma espécie de santuário da velocidade. Todo carro esportivo é testado lá antes do lançamento. Além disso, há uma tabela de recordes de tempo no circuito com mais de 90 curvas e pelo menos 10 tipos diferentes de asfalto.

Se esse Golf encara as curvas do “Inferno Verde” com uma voracidade de predador, também precisa frear com precisão. Para garantir que ele consiga ancorar no último segundo, a VW instalou novos discos de 18 polegadas, que ficam envolvidas por novas rodas aro 19. Já a suspensão utiliza sistema McPherson no eixo dianteiro e multibraço na traseira.

Só ficou faltando mesmo uma tração integral, como no primo RS3.