Ainda não é sexta-feira, mas a Black Friday já teve início em alguns estabelecimentos de Belo Horizonte. Entre os "apressadinhos" está o Extra Hipermercados, que deu início às ofertas às 20h desta quinta-feira (28) e espera um aumento de 10% nas vendas em relação à última sexta-feira de novembro do ano passado. Nesta quinta já havia um grande número de consumidores atrás de ofertas na loja do bairro União. 

Em alguns shoppings, as promoções têm início à meia-noite. No Shopping Contagem, as lojas devem virar a noite, com a abertura tendo acontecido nesta quinta-feira, às 10h, e fechamento apenas às 23h da sexta-feira. No Minas Shopping, as portas serão fechadas às 22h desta quinta, como de costume, mas a reabertura acontece duas horas depois, à 0h. O funcionamento das lojas, porém, é facultativo. O Minas também terá horário estendido no sábado (30), de 8h à 0h.

Segundo pesquisa realizada pela Fecomércio MG, cerca de 40% dos consumidores aguardam a Black Friday para ir às compras e 50% planejam gastar mais de R$ 500 no período.

Leia mais:
Uber Eats e Rappi têm promoções a partir de R$ 1 durante a Black Friday; confira
Mercado derruba preços de games na Black Friday
Aposta do comércio, Black Friday inclui motel, cemitério e armadilhas

Compras online

Boa parte das compras na Black Friday acontecem pela internet e é no ambiente virtual que estão muitas armadilhas. Além de empresas que oferecem promoções com preços maquiados, o consumidor deve estar atento para não cair em golpes desenvolvidos por hackers ou fornecedores que não entregam os produtos conforme combinado.

Confira as dicas do Procon para não se endividar ou cair em golpes:

- Não faça compras por impulso. Analise seu orçamento; reflita se você realmente precisa daquilo; avalie se essa compra não vai desequilibrar suas contas.

- Pesquise a evolução do preço do produto que pretende adquirir, bem como as condições de pagamento disponibilizadas pelos diversos fornecedores. No dia 29, confira se o produto faz parte da Black Friday e compare seu preço com os que você coletou.

- Visite estabelecimentos diferentes e compare os preços dos produtos que pretende adquirir.

- Confira se o produto que você deseja adquirir existe de fato no estoque da loja. Há registros de casos em que o consumidor comprou um artigo pelo preço promocional, mas a loja não entregou alegando falta de estoque. Se isso acontecer, o consumidor tem três opções: exigir o cumprimento forçado da oferta, aceitar um outro produto pelo mesmo preço pago ou ainda receber de volta o dinheiro que pagou.

- Muito cuidado com sites falsos. Eles são praticamente idênticos aos originais. Suspeite de ofertas muito tentadoras. Em caso de dúvida, ligue para o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da empresa e confira se o preço praticado é aquele mesmo.

- Suspeite dos anúncios recebidos por meio de redes sociais e aplicativos de mensagens. Em 2016 o Procon Assembleia detectou em uma rede social a oferta de uma TV por menos da metade do preço normal, supostamente publicada por uma grande loja de varejo. Uma ligação para o SAC da empresa foi o suficiente para comprovar que se tratava de uma fraude.

- Evite acessar sites que são enviados por e-mail ou SMS. Se quiser entrar no site de alguma empresa, digite o endereço eletrônico dela no navegador de seu computador. Não entre pelo link fornecido.

- Grave todas as telas e comunicações eventualmente realizadas com o fornecedor.

- O site da ALMG contém um link para uma lista preparada pela Fundação Procon SP chamada "Evite esses sites", contendo o endereço eletrônico em ordem alfabética, razão social da empresa e número do CNPJ ou CPF, além da condição de "fora do ar" ou "no ar". Essa lista é composta por sites que cometeram fraudes ou que não puderam ser encontrados, quando notificados pelo Procon.

- O site deve conter o nome da empresa, endereço físico e demais informações necessárias para que o fornecedor possa ser localizado e contatado. O Procon Assembleia recomenda ligar para confirmar todos os dados.

- Algumas ferramentas do Google, como o "Google Maps" e o "Street View", podem ajudar a descobrir se o endereço fornecido no site realmente existe.

- Verifique se o site é seguro: no momento da transação, confira se no canto inferior da tela há um cadeado ou chave. Atualize seu programa antivírus, bem como os programas de monitoramento contra spywares e firewall.

- Forneça apenas os dados solicitados pelo site durante a transação, nada mais.

- Fique atento à reputação do vendedor. Verifique depoimentos, reclamações e as avaliações da empresa. Os sites "Reclame Aqui" e "Consumidor.gov.br" são boas fontes para essas informações.

- Guarde todos os dados da compra, como o nome do site, produtos pedidos, valor pago, forma de pagamento, data de entrega do produto e número de protocolo da compra ou do pedido, se houver.

- Direito de arrependimento: nas compras online, o consumidor pode desistir da compra no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço. O fornecedor deve informar, sempre de maneira clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor.

- Não faça compras ou qualquer operação bancária utilizando computadores de lan houses ou cybercafés. Eles podem conter programas maliciosos que furtam números de cartões de crédito e senhas.

- Não se impressione com aqueles cronômetros enormes em contagem regressiva informando que a promoção está acabando. Isso é apenas uma pressão para que você compre logo, sem pensar muito.

- Em caso de reclamação ou dificuldade, procure o Procon de sua cidade.