Empresário e gestor desportivo, natural de Belo Horizonte, Alexandre Kalil nasceu em março de 1959. É filho do ex-presidente do Clube Atlético Mineiro, Elias Kalil. Foi também presidente do mesmo clube entre 2008 e 2014. Antes, entre 1999 e 2006, havia sido presidente do Conselho Deliberativo. Recebeu o Troféu Guará cinco vezes como melhor dirigente, nos anos 2001, 2002, 2009, 2012 e 2013.
    
Nas eleições de 2014, se registrou como candidato à vaga de deputado federal, pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), mas desistiu um mês antes da disputa. A filiação ao PHS ocorreu neste ano, motivada pelo convite do presidente da legenda, o deputado federal Marcelo Aro. Conhecido por causa de uma série de declarações polêmicas, o pré-candidato à prefeitura de Belo Horizonte já adiantou que pretende “partir para a ignorância” caso vença as eleições municipais deste ano.

A votação 

Alexandre Kalil (PHS) chegou por volta das 10h20 para votar, neste domingo (2), no Colégio Estadual Central. Curiosamente, o candidato a prefeito de Belo Horizonte, que estava acompanhado da esposa, entrou no local no mesmo instante que um eleitor vestido com a camisa do Cruzeiro. 

À imprensa, Kalil disse que vai esperar o resultado das eleições e disse não saber se irá para o segundo turno. "Às 17h, 17h30, vamos saber o resultado. Espero que a vontade do povo possa ser respeitada, escrita na urna. Não tenho a pretensão de achar que já estou ou não (no segundo turno)", afirmou.

Sobre o fato de se candidatar à prefeitura, ele falou que vem sendo uma "experiência legal". "Não conhecia a minha cidade. Não poderia morrer sem essa aventura, essa caminhada", disse ele, que é ex-presidente do Atlético.

2º turno

O candidato aguarda o fim da contagem dos votos no apartamento dele. Ele está acompanhado de aproximadamente 20 pessoas, que inclui filhos,  noras, namorada (Ana Laender) e sobrinhos. Do campo político, além do vice Paulo Lamac (Rede), estão na casa do candidato, o deputado estadual Iran Barbosa e o vereador, Daniel Nepomuceno, também presidente do Atlético Mineiro. Ansioso, o candidato se recusa a falar sobre a disputa antes do fim da apuração dos votos.