Após uma série de dificuldades, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que haverá uma nova rodada de provas para o mais recente concurso público do órgão, substituindo o exame que tinha sido realizado no dia 2. A decisão foi anunciada nesta sexta-feira (14) pelo diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano. O concurso prevê o suprimento de 314 vagas em vários cargos, com salários que vão de R$ 4.760,18 a R$ 10.019,20. Mais de 125 mil candidatos se inscreveram para o concurso.

Logo após a aplicação da prova, no começo de junho, a Anvisa confirmou em nota oficial ter conhecimento de obstáculos no Rio, Bahia, Distrito Federal e Alagoas. Candidatos relataram que provas foram entregues sem o lacre, que houve troca na entrega dos cadernos e dos gabaritos e que alguns candidatos teriam perdido o exame por mudanças de última hora nos locais de aplicação. Com a decisão anunciada nesta sexta, entretanto, a reaplicação da prova valerá até mesmo para locais onde não foram registrados incidentes. Não foi fixada, porém, nova data para os exames.

A Anvisa anunciou que decisão de aplicar novas provas foi tomada após reunião da diretoria colegiada que avaliou o relatório da comissão organizadora do certame. Foram sete os pontos avaliados pelos diretores. A primeira decisão foi a "de determinar à empresa Cetro a reaplicação nacional das provas do concurso público para todos os cargos que compõem o certame, preservando-se os direitos de todos os candidatos já inscritos". Além disso, ficou determinado que, após a conclusão formal das apurações, sejam aplicadas à Cetro as sanções contratuais previstas em função das falhas operacionais.

Além disso, foi tomada a decisão de "advertir a empresa Cetro sobre a possibilidade da aplicação das penas de suspensão ou declaração de inidoneidade no caso de repetição do descumprimento das cláusulas contratuais e problemas verificados na aplicação anterior". Está assegurado o direito de desistência de eventuais candidatos que não desejem realizar novamente as provas, com as restituições dos valores de inscrição pagos.

A fiscalização desta segunda rodada de exames será reforçada. A decisão da agência anunciada sexta-feira afirma que, "tendo em vista o interesse público envolvido na realização do concurso", será pedido que a Policia Federal (PF) acompanhe a aplicação das novas provas e que encaminhe eventuais conclusões sobre a apuração sobre as ocorrências envolvendo os exames anteriores. O parecer da comissão organizadora será encaminhado à Cetro, "no sentido que a empresa tome conhecimento das conclusões contidas no relatório, e solicitar à comissão que reforce junto à Cetro os itens considerados críticos".

A página da Cetro Concursos na internet diz que a instituição tem matriz em São Paulo e uma filial em Brasília. Cita, ainda, como alguns dos clientes, a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Fundação Hemocentro de Brasília, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), prefeitura de Manaus, Ministério das Comunicações e Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.