O adolescente de 14 anos que era mantido refém pelo padrasto em um apartamento em Natal foi libertado por volta das 17h20 deste sábado. Foram mais de 40 horas de cárcere privado. O padrasto Francisco José de Assis Guimarães, de 52 anos, um agente penitenciário aposentado, cortou os pulsos e deu um tiro no queixo. Ele foi socorrido por médicos do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) com vida.

Desde a 0h30 desta sexta-feira (13), um agente penitenciário mantinha refém o enteado, no apartamento onde moram, no bairro Capim Macio.

Segundo a polícia, uma briga de casal em fase de separação teria motivado o cárcere privado. Após a discussão, a mulher do agente saiu de casa com a filha mais velha e até o início da tarde deste sábado (14) não se sabe seu paradeiro.

De acordo com a major Tereza Boggio, comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar de Natal, desde o período da manhã 30 policiais do Bope e da Tropa de Choque ficaram no local tentando negociar uma solução e atuando na proteção de outros moradores do condomínio onde moram, na zona sul da capital potiguar. Por segurança, o bloco onde estão padrasto e enteado foi desocupado.

Alimentos e medicação foram fornecidos pelos policiais a pedido do agente. "Não sabemos se o rapaz está vivo e as equipes que estão buscando essa cidadã [mãe do refém] não conseguiram encontrá-la ainda", afirmou a major Tereza.  A presença da mulher seria uma das exigências do agente para negociar a liberdade do enteado.