Após a prisão de dois suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco, um policial militar reformado e um ex-policial militar, parlamentares do PSOL e a viúva de Marielle pediram que as investigações continuem para descobrir o mandante do crime.

A viúva da vereadora Marielle Franco, a ativista Monica Benício, disse que "espera não ter que aguardar mais um ano para saber quem foi o mandante do crime". Ela falou que as prisões dos dois policiais nesta terça-feira, (12), acusados de serem os executores do crime, são "um passo importante na investigação, uma etapa fundamental".

"Espero poder ter em breve acesso aos detalhes para que sinta segurança nesse resultado", disse. "Mais importante que a prisão de ratos mercenários é responder a questão mais urgente e necessária de todas quem mandou matar Marielle. Espero não ter que aguardar mais um ano para saber quem foi o mandante disso tudo. Essa resposta e a condenação final de todos os envolvidos o Estado deve a todas e todos que sofrem com a perda de Marielle e a própria democracia."

A assessora de Marielle Fernanda Chaves, que estava no carro junto com a vereadora no dia em que ela foi morta, afirmou que a prisão do PM reformado Ronie Lessa e do ex-PM Elcio Queiroz, acusados do crime, é um "passo importante para a investigação", mas lembrou que o mais importante é chegar nos mandantes da execução.

"Não é fácil acordar e me deparar com as figuras acusadas de metralhar o carro em que eu estava, responsáveis por acabar com as vidas de Marielle e Anderson", afirmou, emocionada. "Mas as notícias dão conta da apreensão de material e equipamento, o que pode ser essencial para chegar nos mandantes. Essa é a mais importante das respostas, quem mandou matar Marielle. A gente segue aguardando. O mundo inteiro quer saber quem mandou e quais foram as motivações."

A Anistia Internacional divulgou uma nota sobre as prisões dos policiais envolvidos no assassinato da vereadora, ocorrido no dia 14 de março do ano passado. "Essas pessoas devem ser levadas à Justiça para que, em um julgamento que respeite o devido processo, a eventual responsabilidade criminal seja determinada", diz a nota.

"Agora, mais do que nunca, a Anistia Internacional reitera a necessidade de, como já foi feito em outros países, um grupo externo e independente de especialistas para acompanhar as investigações e o processo. A organização reitera que ainda há muitas perguntas não respondidas e que as investigações devem continuar até que os autores e os mandantes do assassinato sejam levados à justiça."

Leia mais: