PR e PSD são os partidos mais cobiçados pelo PSB na composição de chapa para as eleições municipais em Belo Horizonte, causando uma movimentação que tem interferido, inclusive, na data das convenções partidárias. O principal impasse ronda o PSD, que realizaria convenção nesta sexta-feira, dia 22. Com o apoio do presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, Délio Malheiros tem reiterado disposição para ser cabeça de chapa.

“Já dei a minha contribuição como vice-prefeito na gestão do prefeito Marcio Lacerda, e não faz o menor sentido aceitar novamente esta função, por mais honrosa que seja”, disse Délio, em nota, enviada à imprensa na tarde de ontem, diante dos rumores de que ele poderia ceder, assim como fez nas eleições de 2012.
 
No entanto, articulações nos bastidores têm atraído uma parte da cúpula do PSD para indicar um nome para ser vice de Paulo Brant (PSB), escolha política do prefeito. O nome colocado pelo PSD para compor com Brant é o do deputado federal Jaime Martins, que tem reduto eleitoral na região Centro-Oeste do Estado. De acordo com interlocutores do partido, esta semana Jaiminho, como é mais conhecido, passou a se colocar como pré-candidato para forçar a desistência de Délio e viabilizar sua vice-candidatura.

Oficialmente, no entanto, Jaiminho é postulante à cabeça de chapa. “Délio é uma pessoa de bem. Mas ele dizia da possibilidade de se criar uma grande convergência de outros partidos com o seu nome. Demos a ele o tempo necessário, mas essa convergência não veio. Em função disso, colocarei o meu nome”, disse, na tarde de ontem.

A possível aproximação do PSD com o PSB ajudaria a agregar também o PV e o PPS. Com o cenário em aberto, o PSB pode fazer a convenção municipal somente em 5 de agosto, último dia do prazo regulamentar para a realização da atividade no calendário eleitoral.
O PSD deve realizar o seu encontro no dia 31.

PSB ou PMDB

No PR, apesar do nome do deputado federal Marcelo Álvaro Antônio ser colocado como pré-candidato, o partido também tem flertado com o PSB.
No entanto, de acordo com interlocutores, o pré-candidato do PMDB, deputado federal Rodrigo Pacheco, também estaria próximo de selar acordo com o partido. “Enquanto não se definir de fato os candidatos principais, o quadro para a definição do vice ficará muito truncado”, diz um deputado do PR.

Quadro eleitoral atípico é aposta de pequenos para eleger novos nomes para a Câmara

Pequenos partidos apostam no quadro de fragmentação de candidatos ao Executivo na capital e na limitação das regras ele[/TEXTO]itorais, com menor tempo de campanha e proibição de doação de empresas, para ampliar o espaço na Câmara Municipal.
</CW>Com dois vereadores eleitos no último pleito de Belo Horizonte, por exemplo, o PSDC busca aumentar o número de cadeiras neste ano. O partido realiza a sua convenção municipal no próximo domingo, dia 24.
“<CS9.4><CW0>Temos eleições muito atípicas este ano, bem diferente de tudo que já passamos. Vejo que a dissolução entre o PSDB e o PSB pode acabar abrindo um novo rearranjo de forças no cenário político local”, afirma o presidente do diretório municipal do partido, Alessandro Marques. “Não tem favorito este ano”, complementa ele. (Da redação)