O Jeep Renegade se tornou o utilitário-esportivo mais vendido em 2019. E uma das razões está na ampla faixa de preços do modelo, que parte de R$ 73 mil, na versão Custom, e chega a quase R$ 140 mil, na topo de linha Trailhawk. E entre os dois há versões como Sport 1.8 flex, Longitude 1.8 flex, Limited 1.8 flex e Longitude 2.0 diesel. Além disso, as opções flex e diesel são automóveis bem distintos. O primeiro tem viés citadino. Já o segundo é literalmente um bicho do mato.

O Renegade diesel é um carro bem diferente de suas opções com motor flex. Apesar de serem praticamente idênticos visualmente, as versões diesel são indicadas para quem realmente fará uso de suas capacidades 4x4. Ou seja, é recomendado para quem precisa vencer terrenos acidentados, seja por diversão ou necessidade. E a razão está no preço.

Racionalidade
Renegade parte dos R$ 73 mil em sua versão mais simples, com caixa manual de cinco marchas e motor 1.8 de 139 cv. Já a versão Limited Flex, a mais sofisticada com motor 1.8, parte dos R$ 105 mil. No entanto, quando se migra para as opções turbodiesel, o valor salta para os R$ 128 mil iniciais, o equivalente a uma diferença de pelo menos R$ 23 mil. Já a topo de linha começa em R$ 139.990.

E se compararmos com a opção mais simples com a mais cara, o acréscimo sobe para R$ 67 mil. Ou seja, daria para o consumidor comprar um Renegade (básico) e ainda sobrar dinheiro para levar um compacto bem equipado com o preço de um único carro.

Qual escolher?
A primeira coisa a se perguntar é: Qual a finalidade desse Renegade? Se o amigo busca um jipinho para uso diário e não costuma ir onde o asfalto termina, vale a pena optar por uma das versões com motor flex e tração 4x2. Se a grana estiver curta, a versão Sport com caixa automática de seis marchas atende muito bem e gira em torno dos R$ 85 mil. Mas se o amigo faz questão de conforto e conteúdo, a Limited pode ser sua escolha. 

No entanto, se seu intuito é aproveitar todas as potencialidades de seu robusto conjunto mecânico, a história se inverte. Para quem busca um utilitário para a cidade e também para a trilha, o Renegade 4x4 se torna uma das opções mais interessantes do mercado. 

Apesar de caro, é a opção mais acessível para quem busca um utilitário 4x4 com motor diesel. Seu sistema de ração com bloqueio de diferencial e reduzida, assim como o seletor de tipos de terrenos, fazem dele um carro capaz de superar caminhos acidentados com facilidade.

Motores e combustível
O comportamento dos motores é um fator que chama atenção no Renegade. A unidade 1.8 de 139 cv é a mesma que equipa Argo, Cronos e Toro. Já a unidade 2.0 turbodiesel de 170 cv e gratos 35,7 mkgf de torque também equipa a picape italiana e o irmão Compass. Não se discute que o diesel tem muito mais vigor que o flex, mas a unidade bicombustível não mostra fraqueza no cotidiano. 

Os dois motores apresentam consumos equivalentes, na casa dos 10,5 km/l, no combinado entre rodovia e vias urbanas. Daí o consumidor pode calcular que o diesel é bem mais barato que a gasolina. Mas a diferença de preço entre os dois modelos só irá aparecer depois que o amigo queimar alguns milhares de litros de óleo diesel. 

Então fica a dica: o Renegade 4x4 é um excelente veículo para uso fora de estrada. Mas se for só para rodar no asfalto, o melhor é concentrar numa das opções com motor flex, ou aguardar mais um pouco até que o motor 1.3 turbo dê as caras por aqui.