Um comandante da polícia afegã abriu fogo nesta sexta-feira contra duas jornalistas da Associated Press no interior de uma base das forças de segurança no leste do Afeganistão, matando a fotógrafa Anja Niedringhaus e ferindo a correspondente Kathy Gannon.

Anja, de 48 anos, que cobriu zonas de conflito dos Balcãs na década de 1990 até Iraque, Líbia e Afeganistão e fazia parte de uma equipe de fotógrafos da AP que ganhou o Prêmio Pulitzer em 2005, morreu instantaneamente por causa dos ferimentos. Kathy, que por muitos anos foi chefe da sucursal do Afeganistão da agência de notícias e atualmente é correspondente especial para a região, foi baleada três vezes nos pulsos e ombros. Após cirurgia, ela estava em condição estável e falou com a equipe médica antes de ser transportada de avião para Cabul.

O acontecimento foi particularmente surpreendente, porque veio de um tiro disparado por um membro das forças de segurança afegãs - o primeiro exemplo conhecido de um ataque por um membro de grupos militantes infiltrado nas forças contra jornalistas. O ataque ocorre na véspera das eleições do Afeganistão para um novo presidente e conselhos provinciais.

As duas jornalistas viajavam na sexta-feira com um comboio de trabalhadores das eleições que distribuíam urnas na cidade de Khost, no leste do país. O comboio era protegido pelas forças de segurança afegãs. As duas estavam em seu próprio carro com um tradutor e um repórter freelancer da AP Television News. Elas haviam chegado no fortemente resguardado complexo militar e estavam esperando o comboio partir, disse o freelancer, que testemunhou os disparos.

Um comandante de unidade que foi identificado pelas autoridades como Naqibullah caminhou até o carro, gritou "Allahu Akbar" (Deus é Grande) e abriu fogo contra elas no banco detrás do carro com sua AK-47, segundo a testemunha. O oficial então se entregou aos outros policiais e foi preso. Fonte: Associated Press.