ORLANDO - O suspeito do massacre deste domingo em uma boate gay de Orlando expressou sua lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) em um telefonema para o número 911 pouco antes do ataque - informou a imprensa americana.

Citando fontes policiais, a rede NBC disse que o atirador, acusado de matar ao menos 50 pessoas na madrugada de domingo, telefonou para o 911 pouco antes do tiroteio para anunciar sua lealdade ao chefe do EI.

Itamaraty diz que não há brasileiros entre vítimas de atentado nos EUA

Com proibição para gays, doadores de sangue pedem apoio no Twitter

Atentado em boate é o pior nos EUA desde o 11 de Setembro

Ao menos 50 morreram e 53 ficaram feridos em tiroteio em boate nos EUA

A emissora CNN cita, porém, um funcionário americano que declara que "o FBI imediatamente acreditou que era um ataque islamita, por causa dessa chamada".

"Sabemos que era alvo de uma investigação, ao menos no passado. Não estava no centro dessas investigações, mas era suspeito de ter vínculos com os radicais islâmicos e simpatia com a ideologia radical islâmica", declarou a fonte à CNN.