Rudson Aragão Guimarães, o homem que matou a ex-namorada e outros três fiéis da Igreja Batista Shalom, em Paracatu, na região Noroeste do Estado, procurou o sobrinho de três anos de idade no mesmo dia do ato, para se despedir e entregou à criança seu violão.  

As informações foram passadas pela professora Envia Aragão Guimarães, irmã do responsável pelo ataque na cidade mineira. "Não entendemos que aquilo era um sinal do que estava por vir. Sei que meu irmão não é um monstro. Ele teve uma explosão emocional e agora terá de pagar pelo que fez", disse.

Segundo ela, o irmão deu sinais de descontrole horas antes do crime. No dia do crime, o homem ateou fogo na cama e no colchão em frente à casa em que morava com a mãe após a venda que faria dos itens para um primo ser cancelada. 

Ele estava desempregado há vários meses. Além disso, ele teve depressão e dependência química. Para sair dessa situação, a família sugeriu que ele passasse a frequentar a Igreja Batista Shalom. Segundo familiares, ele ficou bem por 10 meses, mas depois desentendimentos entre ele e os integrantes da igreja começaram a surgir. 

Após um período de atritos, o homem foi afastado da liderança de um grupo de oração e também excluído de um grupo de WhatsApp. 

Na noite de terça-feira (21), o homem entrou na casa de sua irmã Envia com um canivete no bolso e esfaqueou sua ex-namorada Heloísa Vieira Andrade.

Depois de esfaquear Heloísa, ele seguiu para a igreja, onde arrancou o portão do templo e matou três fiéis. Foi baleado por um policial e levado para o hospital municipal, onde tentou usar um bisturi para se suicidar nesta Quinta-feira (23). Foi socorrido imediatamente e seu quadro de saúde é estável.