Um ataque aéreo que teve como alvo supostos campos de treinamento de militantes da Al-Qaeda matou diversas pessoas neste domingo no Iêmen, segundo confirmou o Comitê Supremo de Segurança do país. Mais cedo, um chefe tribal afirmou que o ataque de drone (avião não tripulado) no sul do Iêmen matou pelo menos 30 supostos militantes.

O Comitê, que inclui os ministros de Defesa e do Interior, além do chefe de inteligência do país, informou que p ataque atingiu as montanhas de Mahfad, entre as províncias de Abyan e Shabwa. Na declaração, não foi informada a autoria dos ataques, mas os Estados Unidos promovem ataques regulares de drones no Iêmen contra a filial local da Al-Qaeda, a qual os EUA consideram a mais ativa do mundo.

A agência oficial SABA citou um oficial que não se identificou dizendo que foram mortos estrangeiros e supostos líderes da Al-Qaeda.

Este é o segundo ataque desde sábado, quando um suposto drone norte-americano atuou na província de Baida matando 10 supostos militantes da Al-Qaeda e três civis, embora informações iniciais tenham dado conta de que eram 15 militantes mortos Há informações conflitantes, porém. O Comitê Supremo afirmou, porém, que o ataque de sábado foi promovido por autoridades do Iêmen.

Segundo uma instituição não-partidária, a New America Foundation, os Estados Unidos realizaram mais de 100 ataques de drones no Iêmen desde 2002. Não houve nenhum comentário imediato dos EUA sobre o ataque deste domingo. Os norte-americanos reconhecem ataques de drone organizados por seus militares, mas tipicamente não informam sobre operações feitas pela CIA. Fontes: Dow Jones Newswires e Associated Press.