Baixa procura de mulheres por consultas e exames de rotina preocupa ginecologistas

Maria Amélia Ávila
mvarginha@hojeemdia.com.br
02/08/2021 às 19:04.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:34

A pandemia de Covid-19 provocou impactos na rotina de cuidados da mulher. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a quantidade de mamografias e biópsias de colo uterino caiu 23,4% desde o início do isolamento social, em março de 2020.

O cenário é preocupante, alertam os especialistas. O principal reflexo dessa baixa procura pela consulta preventiva é o aumento de casos de tipos de câncer que acometem o sexo feminino. Com base em estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 82.870 mulheres desenvolveram tumores na mama e de colo do útero no último ano. Desse total, 24.860 desconhecem a presença da doença.

Entre elas, o de mama é o câncer que mais mata em todo o país. “Uma em cada oito mulheres no mundo desenvolve”, diz o presidente da Febrasgo, o ginecologista Agnaldo Lopes.

Por isso, é importante a realização de consultas de rotina, dos exames periódicos, quando são feitos os preventivos, conhecidos como Papanicolau. É esse teste que consegue detectar o câncer de colo do útero, e o diagnóstico precoce significa uma maior chance de cura.

Acompanhe a entrevista na íntegra.   

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por