Preso em regime de segurança máxima, o traficante Fernandinho Beira-Mar está em tratativas para colocar no ar um site no qual pretende divulgar sua história de vida, vender livros de sua autoria e suvenires como camisetas, canecas e bonés, sob a marca FBM.

O site seria administrado, em parte, a partir da cela que ocupa na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. O professor Cláudio Langroiva, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), acredita que a atitude viola a lei por desvirtuar o princípio do cumprimento de pena. 


Leia mais:
Ex-braço direito de Beira-Mar, Roni Peixoto vai para prisão domiciliar
Guerra do tráfico na fronteira com o Paraguai mata cinco pessoas
Sob influência de Beira-Mar, PCC planejava ataques no modelo das Farc