O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, anunciou nesta segunda-feira (21) ao presidente Reuven Rivlin que não vai conseguir estabelecer governo. O líder da oposição, Benny Gantz, deverá agora ser encarregado de formar um novo governo.

“Desde que recebi o mandato, trabalhei incansavelmente para estabelecer um amplo governo de unidade nacional. Isso é o que as pessoas querem”, declarou Netanyahu num vídeo publicado na rede social Facebook.

Benjamin Netanyahu

Primeiro-ministro fez uma nova tentativa, na última quinta-feira, ao apresentar um esboço do plano para o novo governo

Na última quinta-feira (17), o primeiro-ministro fez uma nova tentativa de formar uma coligação ao apresentar um esboço do plano para o novo governo, mas o projeto foi rapidamente rejeitado por Benny Gantz.

Netanyahu explicou ao líder da oposição, por telefone, que o plano em questão se baseava nas diretrizes estabelecidas pelo presidente Rivlin, mas ignorou o fato de o partido de Gantz exigir o fim do bloco constituído por partidos de direita como condição para prosseguir com as negociações.

O primeiro-ministro, então, acabou anunciando a intenção de entregar o mandato ao presidente.

Rivlin já reagiu, informando que vai se reunir com vários partidos políticos para transmitir a intenção de entregar a Benny Gantz, principal rival de Netanyahu, a função de formar um novo governo.

Caso a intenção se concretize, o líder da oposição passa a ter apenas 28 dias para formar uma coligação. Se Gantz também falhar nessa missão, qualquer deputado apoiado por uma maioria de pelo menos 61 membros do Parlamento poderá tentar formar uma coligação.

Nas eleições de setembro de 2017, o partido Kahol Lavan, de Benny Gantz, recebeu 33 dos 120 lugares no Knesset, o Parlamento israelita. Já o partido Likud, de Netanyahu, conseguiu 32 lugares. Nenhum dos dois partidos, portanto, assegurou maioria absoluta.